Ajustes pra ontem!

08/06/2013

Foram SEIS baitas defesas do goleiro do Vitória no último jogo! Podia ter sido uma goleada, mas não foi. E não foi porque ainda faltam alguns ajustes.

O Grêmio entrou bem no primeiro tempo, o Dida quase não se movimentou, só dava Grêmio no ataque e o que faltava? A conclusão! Precisamos encaixar nosso atacante Barcos, que estava completamente perdido em campo.

Precisamos de uma solução para o Barcos URGENTE, antes que ele vire um Moreno e se vá o boi com as cordas. Um jogador que merece reconhecimento é o Adriano, gostei dele ontem, vi bem de pertinho o lance em que ele salvou, de carrinho, um chute do Nino Paraíba no fim do primeiro tempo. Mas, o que me chamou atenção foi a atitude dele após a jogada: Prontamente foi abraçar um a um os colegas que ali estavam!Isso é espírito de Grupo, é disso que nós precisamos! O tão esperado Gol só veio no segundo tempo! O Grêmio não vinha jogando bem, mas, jogador de qualidade vai lá cava uma falta e bate com perfeição: OBRIGADA ELANO! A Arena pulsava após o gol do Elano, era o momento do time todo partir para o ataque, só que não!

O bom e velho Luxemburgo recuou o time todo, mais uma vez. Pra que recuar o time? Porque não ir a busca do segundo gol, alguém tem uma explicação plausível para esse esquema de jogo do Luxemburgo? Por sorte, no jogo de ontem, o Vitória não empatou e subimos três pontinhos na tabela! Acredito que são poucos os ajustes que o Luxemburgo precisa fazer, levo fé nesse Campeonato Brasileiro nas mãos dele e dessa equipe que nos representa. Só falta achar o “botaozinho” de encaixe.

E nós, os que realmente vivemos de amor a esse Clube, não podemos deixar a nossa parte de lado. Vamos lotar a Arena e apoiar como sempre fizemos, aliás, vamos lotar a Arena como fez a GERAL DO GRÊMIO na noite do seu retorno!

Que espetáculo a parte essa torcida! Que coisa linda ver a Geral dando vida ao estádio do Grêmio!Avante Tricolor, Queremos a Copa!!!!!!!!


Do amor ao processo

06/12/2012

Ídolo gremista por toda a sua passagem no clube, mesmo tendo em sua carreira tricolor apenas um título gaúcho, o goleiro Victor, atualmente defendendo o Atlético-MG, está descontente com alguns fatores que impedem sua boa harmonia dentro do time que participou de 2008 à 2012.

n_atletico_mineiro_victor_goleiro-4783859

O número um do galo entrou com uma ação na justiça contra o Grêmio alegando falta de pagamentos de percentuais sobre direitos de arena e direitos de imagem no período em que defendeu o mesmo. Não partindo para a ignorância logo de cara, de acordo com o advogado do atleta, ele bem que tento0u ter uma conversa com os dirigentes gremistas antes de partir para a justiça, mas com a falta de respostas vinda de Porto Alegre, a única alternativa foi partir para o processo em juízo. Os valores que estão em pendência ão mantidos em sigilo. A audiência está marcada para o dia 4 de janeiro.

Victor saiu do Grêmio em junho, quando entrou numa transação valendo 3,5 milhões de euros e mais 50% dos direitos do jogador Werley, atualmente zagueiro tricolor.


Goleada para agradar a gregos e troianos

11/10/2012

O jogo tinha tudo para terminar empatado, mas surpreendeu e virou goleada. Inter e Atlético Mineiro travaram a batalha dos desfalques essa noite, no Beira-Rio. A ausência de 5 titulares atleticanos e 7 colorados, incluindo Ronaldinho Gaúcho e Leandro Damião, fez com que novos nomes se destacassem na partida.

Sem os grandes craques em campo, o atacante Cassiano e o meia Fred comandaram a vitória colorada sobre o vice líder do campeonato. E fizeram bonito, com jogadas de velocidade e marcando um gol cada. Junto com Jackson, autor do outro gol, os garotos mostraram que Fernandão tem boas opções para superar os desfalques rotineiros, ora por lesão, ora por convocações.

Cassiano foi destaque na goleada colorada sobre o Galo – Foto: Alexandre Lops

Após um primeiro tempo equilibrado, de muita marcação e poucas oportunidades de ataque, as duas equipes voltaram motivadas para a segunda etapa. Com Lucas Lima no lugar de Dátolo e Dagoberto substituindo Rafael Moura, o Inter evoluiu na partida. Aos 21 do segundo tempo, Jackson abriu o placar com um belo chute no canto do gol atleticano. Poucos minutos depois, foi a vez de Fred deixar a sua marca. Ele dominou um cruzamento de Dagoberto e fez um belo gol, ampliando a vantagem colorada. Aos 41 veio o ultimo gol, também nascido de um cruzamento de Dagoberto, dessa vez culminando em uma cabeçada certeira de Cassiano, que marcou seu terceiro gol na competição.

O Atlético ainde teve chance de descontar, aos 43 minutos. Nei derrubou Neto Berola dentro da área e o juiz marcou pênalti para o Galo mineiro. Jô cobrou no meio do gol e Muriel salvou a pátria, tirando a bola com os pés. Já não havia tempo para reação, a partida acabou em 3 a 0 a favor do time da casa.

O resultado da partida agradou a todo o Rio Grande do Sul. O lado vermelho comemora pelos motivos óbvios, já que a vitória dá uma sobrevida ao Inter na competição. Ao vencer o vice-líder, o colorado volta a sonhar com a vaga no G4. Já do outro lado, os azuis comemoram porque o Atlético-MG é adversário direto do Grêmio na luta pela vaga na Libertadores ou mesmo pelo título (embora mais uma vitória do Fluminense tenha reforçado o favoritismo carioca em 2012). Com o resultado, se vencer o Sport nesta quinta-feira, o Grêmio empata em pontos com o Atlético e ganha a segunda posição pelo número de vitórias.

O Inter agora tentará engrenar uma boa sequência de vitórias, visando a classificação para a Libertadores no ano que vem. Para a partida do próximo sábado contra o lanterna Atlético-GO, Fernandão não contará com Jackson, que levou o terceiro cartão amarelo no jogo de hoje.


Um por todos e todos por um?

02/07/2012

Agência O Globo

Atlético – MG termina a 7ª rodada no topo da tabela do Brasileirão ao vencer o Grêmio por 1 a 0.  Junto com a liderança, veio o grito de Ronaldinho, engasgado desde o dia 30 de outubro de 2011, quando, pela primeira vez, voltou ao Olímpico vestindo as cores do adversário. Mais do que R49, a partida de hoje trouxe algumas novidades.

Vamos enumerá-las?

1)      Anúncio de Victor como novo goleiro do Galo;

2)      Estreia de Marcelo Grohe com a camisa número 1 do Grêmio;

3)      Fábio Aurélio, que jogaria nesse domingo, lesionado – e que deve parar por seis meses;

4)      Retorno de Anderson Pico;

5)      Primeira atuação de Zé Roberto com a 10 tricolor.

No começo da partida, o Grêmio assumiu o domínio da partida. Trocava passes e esperava o momento de atacar, mas perdia o tempo das finalizações. Enquanto isso, Marcelo Grohe apenas observava.

Na linha de fundo, aos 25 minutos, o menino Bernard resolveu chamar a responsabilidade e além aplicar dois balões na zaga gremista, deu a bola de presente para Jô, ex-Inter, mandar para o fundo das redes.

Do outro lado, Giovani, que no próximo jogo deve passar seu posto para Victor, fazia defesas espetaculares. A mais perigosa saiu dos pés Z10, no final do jogo, e diga-se de passagem que o meia mostrou muuuuuuuita vontade.

Insatisfeito com o resultado, Vanderlei Luxemburgo resolveu apostar em Tony e Rondinelly, no lugar de Edílson e Léo Gago, como alternativa para melhorar o setor ofensivo. Mas quem não teve sossego foi Marcelo Grohe, que pôde provar a confiança depositada.

Agência O Globo

O Galo de Bernard (hoje podemos falar assim, né?) não só derrotou o Grêmio, mas cumpriu aquilo que havia prometido: jogar por Ronaldinho.


O adeus do goleiro Victor

29/06/2012

Foto: Edu Andrade/Gazeta Press

Revelado pelo Paulista, Victor chegou ao Grêmio indicado pelo então treinador Vágner Mancini no início de 2008 para substituir o argentino Saja e conquistou o posto de capitão do tricolor gaúcho.

Desde lá, o goleiro é ídolo da torcida gremista e ganhou a titularidade absoluta. O Grêmio acertou hoje a venda do jogador para o Atlético-MG. A negociação é de que o tricolor recebe R$ 8 milhões e o zagueiro Werley, que estava emprestado, ficará em definitivo no clube gaúcho.

Marcelo Grohe já assume neste domingo a posição de arqueiro titular do tricolor, já que o Grêmio recebe o Galo, novo clube de Victor. O goleiro conquistou o Campeonato Gaúcho de 2010 e foi eleito o melhor no Campeonato Brasileiro. As boas atuações chamaram a atenção de Dunga e ele esteve presente na Seleção Brasileira durante a Copa das Confederações de 2009.

Depois de 4 anos defendendo a equipe gaúcha, o grande goleiro Victor segue seu rumo em Belo Horizonte. Boa sorte, Victor!


E não tá morto quem peleia… Né Galo?!

05/11/2011

De antemão já peço perdão pela ‘brincadeira infame’ que vou fazer agora, mas impossível evitar… Pois na semana dos finados, não é que o tricolor fez questão de ressuscitar os mortos?! É caso de vocação, né Cuca?…

Óbvio que a minha intenção ao dizer isso não é menosprezar o poder de superação do Atlético-MG, que fez o papel de dono da casa, e apesar de fazer um jogo instável (melhor num tempo, ruim no outro), foi objetivo e certeiro nas poucas oportunidades que teve.

Vitória da superação (foto: Foto: Carlos Rhienck/Hoje em Dia/Gazeta Press)

Créditos mais que merecidos a peças fundamentais do time de Cuca, como o maestro Daniel Carvalho, o incansável Neto Berola e o oportunista (no melhor sentido) André. Filipe Soutinho também foi outro bom destaque, além de Marquinhos Cambalhota, quem fez muito nos poucos minutos em que esteve em campo.

Aliás, o ex-Inter Daniel Carvalho é o coração que pulsa no Galo, craque do time, e que na minha opinião seria uma ótima opção de futuro investimento para dupla. Tá jogando muito.

Quanto ao que vimos do Grêmio no jogo, corrigindo, o que não vimos, foi a velha e recorrente falha de marcação dos volantes, a inoperância do ataque e a burocratização do meio de campo. Sem contar as sempre questionáveis (pra não dizer outra coisa) substituições de Celso Roth.

Eu aposto sim em dizer que foram essas trocas que definiram o rumo do jogo e a vitória por 2 a 0 para o Atlético. Com um jogador a mais em campo, Roth decidiu tirar Rochemback, provavelmente visando poupar o jogador que voltou de lesão, e colocou em seu lugar Leandro, com a intenção de dar ofensividade ao time.

Bom, eu tiraria o Adílson ao invés do capitão do tricolor. Leandro, que não era opção há vários jogos, estava visivelmente perdido em campo, algo previsível. Colocou o garoto Everaldo que não pôde oferecer nada ao time.

Pra completar, colocou o Gabriel como meia-atacante pela direita no lugar de Marquinhos. Uma aposta incompreensível ao meu ver, que nem vale comentários, pelo momento em que vive o lateral.

Enfim. Acho que no fim vale mais enaltecer a força atleticana do que gastar os dedos tentando definir aqui as mesmas razões de sempre para a derrota gremista. Afinal, o Galo é time grande, e torço para que clubes de tradição permaneçam na primeira divisão. E tenho dito.

ATLÉTICO-MG 2 x 0 GRÊMIO

Gols
ATLÉTICO-MG: André, aos 41min do primeiro tempo e Marquinhos Cambalhota aos 30min do segundo tempo

ATLÉTICO-MG: Renan Ribeiro; Carlos César (Serginho), Leonardo Silva, Réver e Triguinho; Pierre, Fillipe Souto, Daniel Carvalho (Marquinhos Cambalhota) e Bernard; Neto Berola e André (Richarlyson). Treinador: Cuca

GRÊMIO: Victor; Mário Fernandes (Everaldo), Gilberto Silva, Rafael Marques e Júlio César; Adilson, Fábio Rochemback (Leandro), Douglas, Marquinhos (Gabriel) e Escudero; André Lima. Treinador: Celso Roth.

Fonte: Terra Esportes


Era uma vez…

03/08/2011

Hoje eu vou contar uma historinha pra vocês, ok?

Era uma vez uma equipe das cores azul, preta e branca. Surgiu em 1903 em Porto Alegre. Em toda a sua história, foi consagrada como uma equipe com muita garra, com jogadores que corriam atrás da bola, que não tinham medo da bola, que não jogavam bonito, mas estavam sempre na ponta de cima das tabelas. Uma grande cena, marcada por fotos e vídeos em sua história, foi Hugo de Léon, capitão do Mundial de 1983, erguendo a taça com sangue na testa. Ou seja, um exemplo de como os jogadores “que davam o sangue pelo seu time“. No ano de 2001, dez atrás, esta equipe venceu seu último título importante, a Copa do Brasil. Depois, foi adoecendo e morreu em 2005, quando caiu para a segunda divisão.

Para voltar deste ano na série B, demonstrou a volta da garra, da vontade, e todos pensaram que a equipe tricolor estava de volta. Mas quem voltou foi outro clube. Um clube com as mesmas cores, com o mesmo estádio, um time com os dirigentes de sempre. Mas muito longe dos times de Renato Portaluppi, Tarciso, De Léon, o grande Dinho e muitos outros jogadores que não tinham medo de uma dividida.

Voltou um time que, ano após ano, fica no “quase“. Quase cai, quase vai pra Libertadores, quase vence, quase é campeão. Voltou uma equipe que troca técnico após técnico, e cada um chega com a promessa de retomar o time que o torcedor conhecia. Voltou um time em que os jogadores não vestem a camisa, não têm motivação para jogar, mesmo ganhando muito mais do que os daquela época. O time que voltou não é o Grêmio.

Prova disto foi o jogo desta noite, o empate com o Atlético-MG em casa. A equipe entrou, em sua casa, medrosa. Com três volantes. Quando fez o primeiro gol, parece que os jogadores pararam. E levaram o empate em menos de 30 segundos. No segundo gol parecia que não tinha vontade de continuar ganhando. Recuou, esperou o adversário. E sofreu o empate. O Grêmio empatou os últimos três jogos em casa com times candidatos ao rebaixamento. Isso é, no mínimo, preocupante. Coloca mais essa na conta da direção aí. Preciso repetir que algo tem que ser feito?


%d blogueiros gostam disto: