Profissão: torcedor

30/03/2014

Subi no trem, sentei no banco. Pensei: “hoje quero ser um deles”. Não é sempre que você, na condição de jornalista, passa a integrar o grupo dos torcedores. Ainda mais na camufla, como era a minha proposta. Me juntei à massa que se deslocava para à Arena no meio de milhares de pessoas animadas e confiantes. Hoje eu também quero ter essa sensação.

IMG_3598Vesti uma camiseta branca e uma calça preta (o que para mim estava completamente parcial). Este detalhe, por sinal, foi o primeiro item de uma final com clássico que incomodou meus companheiros de jogo. Todos se olhavam. Se eu pudesse ler o pensamento, conseguiria visualizar aquela nuvem em cima da cabeça deles dizendo assim: essa daí veio a passeio. Em um GreNal, preferi adentrar na torcida da casa para evitar um possível tumulto diante dos visitantes. Notei que os portões eram nomeados com as letras do alfabeto, porém na Arena não existe o portão de letra “I”. Sinceramente, acho engraçado essa rivalidade levada tão a sério. Passei a roleta, cheguei no estádio. Por um momento me senti um peixe fora d’água mas quis ir até o fim na minha decisão.

Como a proposta era curtir aquelas horas como torcedora, não deixei de comprar um lanche com refri. Sentei (num acento que não era meu no qual tive que sair dali depois), comi, me sujei de molho e relaxei. Avistei alguns colegas de imprensa trabalhando no gramado. Sorri e tentei dar um tchauzinho discreto com a mão. Notei que um homem acima do peso me cuidava com os olhos. Foi aí que decidi ficar quieta na minha e relaxar. Não foi tão difícil, afinal o DJ da Arena estava inspirado. No telão, shows de Rollign Stones e Foo Fighters. em torno de 5 minutos antes de começar o jogo resolvi comprar aqueles copinhos de água, pois o calor que fazia no dia de hoje, era algo absurdo. Mas mais absurdo era cobrar 3 reais por dois goles de água. Entrei no clima. Reclamei da inflação do lanchinho, discuti com o vendedor de bebidas, só não xinguei o juiz por que daqui uns dias vou precisar entrevista-lo. Não dá para fugir da tua vida.

IMG_3597Ahh mas teve o jogo. Sim, a partida. Foi estranho para mim ver o Edinho de azul. Assim como avistar o Dida, que até ano passado defendia o Grêmio, estar na goleira do Internacional. E nem por isso o nome dele foi o mais vaiado na hora da escalação. Foi D’Alessandro, claro. Mas esse Gre-Nal não foi o camisa 10 que brilhou ali. Tá, não é segredo para ninguém que o Inter venceu o primeiro jogo da final e não vamos polemizar esse post light xingando e apontando quem foi o melhor. O jogo iniciou muito bom mas depois do primeiro gol o Grêmio relaxou legal e o seu goleador, Barcos, ficou mais lento que uma tartaruga. Nesta partida não vou destacar um atleta, vou destacar o bom raciocínio do técnico Abel Braga, que se mostrou firme na posição de deixar Rafael Moura comandar o ataque sozinho e assim vencer de virada na casa do adversário com 2 gols. Mas isso já seria comentário jornalístico. Não?

Senti a aflição da garotinha de azul. Vi uma vózinha chorando. Vi torcidas brigando entre si. Vi vermelho sorrindo e azul chateado. Mas eu vivi tudo isso e tinha esquecido como era bom sentir o momento do torcedor. Sentir o coração bater mais forte. Gritar “uhhh!” e “não foi nada, seu juiz”. Essa sensação me aguarda com ainda mais ansiedade para a  Copa do Mundo. E neste dia, seremos todos por um só.

IMG_3589

Anúncios

Falha no planejamento

28/07/2013

A verdade é que ninguém imaginava que o Inter perderia pro Náutico, ainda mais por 3 a 0.

Mas o PRÓPRIO Inter não poderia pensar assim.

D’Alessandro e Fabrício forçaram o terceiro cartão amarelo contra o SPFC. Damião e Índio foram preservados.

Tudo isso por causa do GRE-NAL.

Os três pontos do clássico são garantidos? Não, mas os de hoje poderiam ser.

Clássico é clássico! Todo mundo sabe que não há favoritos.

Enfim, deu problema no planejamento.


Damião segue mostrando bom futebol

21/03/2013

Um jogo completamente diferente daquele que vimos no final de semana o qual teve goleada com os mesmos envolvidos do jogo de hoje. Porém, mesmo com uma atuação diferenciada, o Inter voltou a vencer o São Luiz de Ijuí e mantém a boa fase com Leandro Damião e o novato Caio.

Minutos iniciais

Já nos dois minutos que iniciavam o jogo, quem demonstrou querer vencer foi o time do Internacional. Não só pela sua superioridade, mas também pela sua ousadia e qualidade em toques. A partida se mostrava toda do meio para o ataque colorado. Para abrir os trabalhos, Juan pelo lado esquerdo, faz a jogada sozinho, porém se desculpa pela perda da oportunidade logo que percebe a sua posição irregular diante do goleiro.

Ainda no desenrolar do primeiro tempo, Juan apareceu outras vezes. Em uma delas, o jogador arranca suspiros da torcida. Após receber o passe de Gabriel, Juan domina no peito, chuta em direção ao gol. Oliveira se destaca na defesa. Moledo no rebote perde a chance de abrir o placar com o desvio da bola na defesa do São Luiz.

O gol

Leandro Damião está visando a camisa amarela da Seleção Brasileira. Já podemos ver um gol por jogo do artilheiro do Inter. Dessa vez, o camisa 9 apareceu presenteando o Internacional aos 42 minutos do primeiro tempo. Quem serviu o jogador foi Caio pela direita. Caio lança a bola para Damião que estava posicionado na linha de pênalti. De primeira, ele chuta a bola surpreendendo o goleiro Oliveira. 1×0.

No primeiro tempo, dois personagens foram os destaques da partida. Mesmo com 45 minutos de jogada, pelo lado do Inter, Caio se mostrou veloz e um bom nome para a substituição de Oscar. Além de ter feito o garçom para Damião no primeiro gol, também foi perigoso com as jogadas de cabeça e nos passes fazendo a dupla e jogadas individuais. O culpado pelo brilho de Caio ficar um pouco mais ofuscado foi por causa do goleiro Oliveira, do São Luiz. Mais de uma vez ele salvou o time de Ijuí nas jogadas não só de Caio, mas também de Juan e também Damião.

Segundo tempo com gol

O São Luiz estava bem diferente daquele time que levou uma goleada deste mesmo Inter, o qual jogava hoje. Com 10 minutos de primeiro tempo e com a sua equipe recuada, a equipe de Ijuí conseguiu chegar ao empate com o jogador Washington. O jogador recebe a bola na frente da área, faz o giro e estufa as redes de Muriel. Desse lance em diante, a cara do jogo mudou bastante. Pois mesmo com o São Luiz movendo seus jogadores para o campo de defesa, o Internacional não conseguiu mais chegar em frente e fazer medo para conseguir o segundo gol.

Custou um pouco para o Colorado entender que a situação não estava favorável. Bastou chegar aos minutos finais para o Inter entender o que se passava. Quando chegou nos 41 minutos do primeiro tempo, apareceu a chance da jogo. D’Alessandro teve a chance de marcar de falta para o Inter. Para essa função chamam o capitão e também Fabrício. Como o segundo já tinha perdido uma falta frontal já no segundo tempo. D’Ale tomou as rédeas e conseguiu marcar o segundo jogo da partida. O São Luiz teve a mesma chance do Inter, porém não conseguiu chegar ao mesmo objetivo e a partida terminou nos 2×1.
 
Local: Estádio do Vale, Novo Hamburgo
Árbtiro: Marcos Coruja
Auxiliares: Carlos Henrique Selbach, Maurício Coelho Silva Penna
 
Escalações:
Internacional: Muriel, Gabriel, Juan, Rodrigo Moledo, Aírton (Dátolo), Fabrício, Caio (Gilberto), Josimar, Fred, D’Alessandro (Otavinho), Leandro Damião.
 
São Luiz: Oliveira, Thiago Costa, Marcel, Eraldo (Marcos Rogério), Adão, Chicão, Junior Barbosa (Marcos Paraná), Baiano, Washignton (Élton Macaé), Danilo Báia, Juba.
 
Gols: Leandro Damião (INT 42MIN 1ºtempo), Washington (SLU 10min 2º tempo), D’Alessandro (INT 41min 2º tempo)

Voltando para a barca

30/11/2012

A expressão da semana que deixou a todos imaginando um adeus ao ícone colorado não passou de um momento de stress. Será?

D’alessandro vinha levando testes de sua curta paciência logo após os jogos do Inter no qual a derrota era escancarada. Eram perguntas do Gre-Nal, respostas ríspidas até que a tal frase veio a tona: “Não tem problema, eu posso saltar da barca. Minha vida não termina aqui, cara”, disse o camisa 10 ao repórter da RBS TV. “Tudo que eu falo vira polêmica”, comentou nesta quinta, dias depois da declaração atípica.

(Foto: Agência Estado)

(Foto: Agência Estado)

Na verdade não deixa de ser real. Tudo que o meia comenta vira um bafafá, mas também ele que criou esse personagem brigão e marrento no desenrolar de sua trajetória. De acordo com o jogador, quando ele ouviu a sua própria torcida gritando olé para eles no momento que perdia por 2×0 para a Portuguesa em casa, a expressão da barca veio como sua forma de manifesto. Um desabafo, antes de fazer coisa pior.

Ídolo do Internacional, D’Ale não nega que sua temporada não foi das melhores em 2012. Acostumado com grandes conquistas nas quais ele não deixa o cidadão esquecer (ele sempre responde “esse é um grupo campeão”), o camisa 10 passou por lesões complicadas neste ano, o que deixou ele ausente por mais de 50% dos jogos. Sua participação foi rasa. Apenas 20 dos 37 jogos do time no Brasileirão foi contada com a ajuda do argentino.

“Foi uma coisa que falei de cabeça quente. Já disse antes e tentei dizer em outros termos que se eu for a pedra no caminho do clube, pego outro caminho. O mais importante aqui é o clube. Aqui não tem nenhuma pessoa mais importante que o Inter”, finalizou o meia.


“Xô, crise!” Confiança na garotada.

17/10/2012

Em meio a um cenário tenso, tanto dentro como fora de campo, hoje a noite o Inter recebe o Figueirense no estádio Beira-Rio, às 19h30.

Para esse jogo, o técnico Fernandão optou por fazer algumas importantes mudanças na equipe. Ao todo, quatro peças foram modificadas: Kleber, Dátolo e D’Alessandro começarão no banco de reservas – com a alegação de desgaste físico pela sequência de jogos contra os Atléticos (MG e GO). Mas vale ressaltar que Kleber teve uma discussão das feias com Muriel, depois que o time sofreu o gol da virada do Dragão. A direção, no entanto, não quis tratar do assunto publicamente, mas agora vemos esse reflexo com o lateral dando lugar a Fabrício na posição.

Guiñazu deve retornar ao time. O argentino que chegou hoje a Porto Alegre depois de servir à seleção nacional, será opção caso esteja bem fisicamente. Com Nei suspenso, Edson Ratinho assume a lateral direita. Recuperado de uma indisposição estomacal, Juan será o parceiro de Moledo na zaga. No ataque, haverá uma linha de três com Dagoberto, Cassiano e Rafael Moura.

O colorado deve ir a campo com: Muriel; Edson Ratinho, Moledo, Juan, Fabrício; Ygor, Josimar/Guiñazu e Fred; Dagoberto, Cassiano e Rafael Moura.

Em sexto lugar com 45 pontos, o Inter busca essa vitória para não deixar o São Paulo, que é quarto colocado com 52 pontos, abrir ainda mais a distância e ver o objetivo cada vez mais distante.

Contra um adversário fraco e também muito mal das pernas, o Inter tem o caminho aberto para carimbar uma vitória dentro de casa e ao lado da sua torcida. Se com os medalhões, as coisas não estão fluindo, pelo menos a garotada do time vem mostrando que está afim de jogo!


Uns querendo entrar, outros querendo sair.

13/10/2012

Está certo que o adversário é fraco, sem qualidade, mas engana-se quem trate esse jogo como um jogo jogado. A situação do Dragão no campeonato é desesperadora, por isso a equipe joga cada rodada como se uma final fosse, tudo para permanecer na elite do futebol brasileiro.

Em situações opostas, o Inter busca uma vaguinha no G-4, enquanto o rival de logo mais almeja sair do outro grupo, o calabouço do brasileirão: o Z-4. Para essa “decisão” contra o Atlético-GO, no Estádio Serra Dourada, o técnico Fernandão tem apenas uma dúvida, : D’Alessandro ou Dátolo. Um dos dois argentinos começa a partida. D’Ale está voltando de lesão, por isso o técnico colorado tem uma precaução em relação a utilização desse jogador. A tendência é que o Dátolo inicie a partida e, quem sabe, D’Ale entre no segundo tempo para pegar ritmo de jogo, pensando também na partida da próxima rodada, quando o Inter enfrenta o também desesperado Figueirense.

Dátolo deve inciar a partida como titular no meio-campo colorado.

De resto, a equipe está encaminhada. O zagueiro Rodrigo Moledo retorna à defesa e o volante Ygor volta ao meio de campo. O provável time com: Muriel; Nei, Moledo, Jackson e Kleber; Ygor, Bollati, Fred, Dátolo/D’Ale; Cassiano e Rafael Moura.

Lembrando que o D’Alessandro volta a ser relacionado depois de quase dez dias de fora dos gramados por um desconforto na coxa esquerda.

Enquanto o Inter busca uma vaga no G-4, o adversário de hoje está fazendo uma péssima campanha nesse campeonato brasileiro e luta para não ser rebaixado. O Atlético-GO é o último colocado da tabela, tendo conquistado apenas vinte pontos. O Dragão vem de quatro derrotas consecutivas e, com certeza, entrará em campo dando a vida para seguir com a esperança de permanecer na série A na temporada de 2013.


Voltando aos trabalhos!

30/05/2012

Aos poucos o departamento médico do Inter vai liberando os jogadores. D’Alessandro e Sandro Silva voltaram, na tarde de ontem, a treinar com bola. Em um treino com campo reduzido, o meia argentino mostrou muita disposição, enquanto Sandro Silva, que se recupera de um corte no joelho, já foi mais contido. Ainda não é certeza, mas já é um bom indício que os dois estarão liberados para encarar o São Paulo, dia 6, no estádio Beira-Rio.

Outro que voltou a dar as caras, foi Jajá. O jogador que estava treinando em separado, no CT de Alvorada, depois de cometer um ato de indisciplina, foi reintegrado ao grupo e, inclusive, já deve ser utilizado no próximo jogo pelo Brasileirão. Jajá ficou afastado por cerca de 17 dias.

jaja

 


%d blogueiros gostam disto: