Afiado para o Clássico

25/11/2012

O Grêmio levou a sério o “treino” para o Grenal neste domingo. O tricolor fez 4 a 2 no Figueirense em pleno Orlando Scarpelli. O resultado, aliado à vitória do Atlético-MG sobre o Botafogo, deixou a decisão da vice-liderança para a rodada final, dando um brilho especial ao último Grenal disputado no estádio Olímpico.

 

Zé Roberto foi um dos responsáveis pela goleada contra o Figueira – Foto: Edu Andrade / Gazeta Press

Os responsáveis pela bela atuação desta tarde foram, para variar, Elano e Zé Roberto. Foi deles a jogada do primeiro gol da partida, que nasceu de um passe de Zé para Elano, que fugiu da marcação e tocou bonito para abrir o placar. No segundo gol, os papéis se inverteram. Elano cobrou escanteio e Zé Roberto ficou com a bola. O meia chutou de longe e marcou, com uma ajudinha do goleiro Tiago Volpi. Ainda deu tempo de Souza marcar o terceiro para o Grêmio, após outra cobrança de escanteio de Elano.

 

No segundo tempo, os gremistas diminuíram o ritmo. Com 3 a 0 a favor, o time tirou o pé do acelerador e deu espaço para o Figueira reagir. E a reação veio justamente de um centroavante criado no estádio Olímpico: Aloísio marcou dois gols, um de pênalti e outro em rebote após cobrança de falta. Após o susto dos 3 a 2, os gremistas acordaram. Elano, novamente decidindo o jogo, achou Leandro sozinho e passou a bola na medida certa para o atacante marcar o quarto gol gremista e afastar de vez qualquer perigo.

 

O Tricolor tem agora 70 pontos e chega no Grenal com 19 pontos de vantagem sobre o Inter, precisando vencer o clássico para garantir o vice-campeonato. Veremos se essa vantagem irá prevalecer ou se o Inter conseguirá reagir “aos 45 do segundo tempo” e acabar com a alegria do rival no final do Brasileirão.

Anúncios

Goleada para agradar a gregos e troianos

11/10/2012

O jogo tinha tudo para terminar empatado, mas surpreendeu e virou goleada. Inter e Atlético Mineiro travaram a batalha dos desfalques essa noite, no Beira-Rio. A ausência de 5 titulares atleticanos e 7 colorados, incluindo Ronaldinho Gaúcho e Leandro Damião, fez com que novos nomes se destacassem na partida.

Sem os grandes craques em campo, o atacante Cassiano e o meia Fred comandaram a vitória colorada sobre o vice líder do campeonato. E fizeram bonito, com jogadas de velocidade e marcando um gol cada. Junto com Jackson, autor do outro gol, os garotos mostraram que Fernandão tem boas opções para superar os desfalques rotineiros, ora por lesão, ora por convocações.

Cassiano foi destaque na goleada colorada sobre o Galo – Foto: Alexandre Lops

Após um primeiro tempo equilibrado, de muita marcação e poucas oportunidades de ataque, as duas equipes voltaram motivadas para a segunda etapa. Com Lucas Lima no lugar de Dátolo e Dagoberto substituindo Rafael Moura, o Inter evoluiu na partida. Aos 21 do segundo tempo, Jackson abriu o placar com um belo chute no canto do gol atleticano. Poucos minutos depois, foi a vez de Fred deixar a sua marca. Ele dominou um cruzamento de Dagoberto e fez um belo gol, ampliando a vantagem colorada. Aos 41 veio o ultimo gol, também nascido de um cruzamento de Dagoberto, dessa vez culminando em uma cabeçada certeira de Cassiano, que marcou seu terceiro gol na competição.

O Atlético ainde teve chance de descontar, aos 43 minutos. Nei derrubou Neto Berola dentro da área e o juiz marcou pênalti para o Galo mineiro. Jô cobrou no meio do gol e Muriel salvou a pátria, tirando a bola com os pés. Já não havia tempo para reação, a partida acabou em 3 a 0 a favor do time da casa.

O resultado da partida agradou a todo o Rio Grande do Sul. O lado vermelho comemora pelos motivos óbvios, já que a vitória dá uma sobrevida ao Inter na competição. Ao vencer o vice-líder, o colorado volta a sonhar com a vaga no G4. Já do outro lado, os azuis comemoram porque o Atlético-MG é adversário direto do Grêmio na luta pela vaga na Libertadores ou mesmo pelo título (embora mais uma vitória do Fluminense tenha reforçado o favoritismo carioca em 2012). Com o resultado, se vencer o Sport nesta quinta-feira, o Grêmio empata em pontos com o Atlético e ganha a segunda posição pelo número de vitórias.

O Inter agora tentará engrenar uma boa sequência de vitórias, visando a classificação para a Libertadores no ano que vem. Para a partida do próximo sábado contra o lanterna Atlético-GO, Fernandão não contará com Jackson, que levou o terceiro cartão amarelo no jogo de hoje.


Domingo de reencontros no Beira-Rio

03/09/2012

… e foram muitos, olha só:

De Dorival Jr com a torcida e jogadores do Inter;
De D’Alessandro com o gramado;
De Damião e, principalmente, de Forlán com o gol;
Do Inter com a vitória!

(Foto: Agencia O Globo)

(Foto: Agencia O Globo)

O colorado chegou chegando! Logo nos primeiros minutos, Fabrício teve oportuidade de ouro de abrir o placar mas acabou desperdiçando. O Inter parecia nervosismo e a falha de Muriel deixou isso bem claro.

Mas apesar dos nervos, o colorado jogava bem. Como há tempos não jogava. Será que foi por causa da volta do D’Alessandro? Não tenho dúvidas disso. O gringo sabe, como ninguém, conduzir a bola e levar o time.

Fred jogou muito bem. O guri tem ferramentas, é “enjoado” e incomoda. Tem tudo pra ser um grande jogador.

Mas o mais importante do domingo foi o camisa 7 ter desencantado. Era nítido, desde o primeiro jogo dele com a camisa do Inter, que o cara saber jogar bola. Mas precisava fazer gol. Agora que fez, espantou a zica. Tenho certeza que só tende a crescer.

Pro jogo contra o São Paulo, Fernandão tem desfalques importantes. Damião, Guiñazu e Forlán estarão a serviço de suas seleções e Fred está suspenso. Mais uma vez, o treinador colorado terá que se virar para escalar o time.

A goleada trouxe tranquilidade ao Inter? Não sei se por completo, mas já tira o pé do pescoço.

A missão agora é dar continuidade.

 

 

 


A culpa é de quem?

08/07/2012

As vezes sobra para a arbitragem. Em outros tempo, o goleiro que era a sina. Mas e agora que Victor foi embora e o placar se desenha com 4 gols para o time adversário. Em quem devemos apontar?

Foto: Sérgio Barzaghi/Gazeta/ Divulgação

Luxemburgo arriscou bastante no jogo. Começou mandando o torcedor degustar um 3-6-1. Apenas Kleber no ataque fazendo dupla de “milagre” com Marco Antônio. Além de ficar difícil da bola chegar até os pés do Gladiador, a ligação de trás para o meio estava precária. Sem falar da péssima defesa azul que se apresentou em campo.

O primeiro tempo começou bem equilibrado para as duas equipes, mas como bem fala aquele ditado “quem não faz leva”, apenas o peixe de São Paulo conseguiu sair feliz daquela primeira atuação. Edu Dracena, o capitão do Santos fez o primeiro para eles. Um gol bobo e fácil pois enquanto tinha apenas 3 jogadores do Santos no ataque, 6 do Grêmio não pularam para defender aquilo que seria gol e foi. Ainda por cima, a gola passou entre as pernas de Marcelo. Ali já sentimos que aquele dia seria de muita cobrança.

Ainda com a equipe balançada, o peixe aproveitou o bom momento. Sem xurumelas, apresentou um golaço de Felipe Anderson deixando Marcelo Grohe sem reação alguma.

Se eu já não tivesse cantado a pedra na introdução, o leitor poderia pensar que parou por aí a bola na rede. Mas não. No maior clima de 2 vira e 4 ganha, assim se ensaiou o resultado.

Chegou o segundo tempo e com ele Neymar e sua cabeça goleadora (mesmo não sendo o jogador mais alto do Santos). Mesmo com um clima de “já ganhou” o 4º gol chegou numa azarada saída de Marcelo Grohe que deixou, novamente, Felipe Anderson com a entrada facilitada.

Foto: Sérgio Barzaghi/Gazeta/ Divulgação

O de honra do Grêmio chegou sim, gente. Vilson descontou e deixou menos feio a goleada que levou fora de casa. O Santos teve a primeira vitória no campeonato. Enquanto o Grêmio cai na tabela se distanciando da zona da Libertadores.

A oitava rodada do brasileiro então terminou assim para o Tricolor. Será que depois dessa o Elano vem mesmo como moeda de troca por Miralles? Aguardemos!


Goleada com cara tricolor

18/03/2012

Ou seria goleada com cara de Luxemburgo? Pois é meus amigos e amigas, agora virou rotina no Gauchão, e o Grêmio parece ter aprendido a lição de casa direitinho. Depois dos 5 a 0 sobre o Nóia no último domingo, hoje foi o dia do Veranópolis ser a nova vítima do time tricolor que agora sim evolui a passos largos.

Grêmio engrenado: jogadores comemoram gol (foto: Lucas Uebel/Grêmio FBPA/Divulgação)

O resultado de 4 a 1, que podia ter sido muito mais amplo não fosse, principalmente, a tarde pouco inspirada do gladiador Kléber, afirma a fase ascendente da equipe de Luxa que já imprime seu estilo de jogo e monta o time ideal, claro que dentro das condições de grupo oferecidas.

Falo isso porque ainda sinto falta de peças importantes para o time, como o armador para ocupar o lugar deixado por Douglas e no mínimo mais um zagueiro de nome para dar maior segurança para a defesa gremista, que apesar de pouco acionada nos dois últimos jogos do campeonato, mostra fragilidades que preocupam, ainda mais se lembrarmos do jogo contra o River Plate-SE, pela Copa do Brasil.

Mas a evolução está aí. E no jogo foi nítido ver isso. O meio de campo composto por Fernando, Léo Gago, Souza e Marco Antônio cada vez mais demonstra entrosamento, com destaque hoje para Léo Gago e Souza que consegueriam ser úteis tanto defensivamente quanto na ligação com o ataque.

Gabriel continua fazendo bons jogos, voltando à forma desejada e sendo aquele elo de apoio para os atacantes pelo lado direito. Marcelo Moreno voltou depois de lesão, também voltou a marcar e apresentar um futebol de habilidade, buscando as bolas na defesa e inclusive ajudando na marcação.

Ótimo retorno: Marcelo Moreno fez gol e teve bom desempenho (foto: Wesley Santos/Gazeta Press)

Kléber, que como citei acima esteve mais apagado no jogo, tem crédito pelas últimas atuações. Teve muitos erros de finalização, que evidentemente aconteceram em momentos individualistas do gladiador, mas pelo menos participou das jogadas ofensivas. Como diria o amigo Mateus do Caxias “só bate quem erra”, ou melhor, só erra quem tenta, né… hehe!

Marco Antônio que também não conseguiu render na partida foi substituído pela sensação Bertoglio, que foi ovacionado pela torcida na sua entrada em campo, lá na Serra. O argentino, como quarto homem do meio, dessa vez não marcou nem deu assistência para gols (que só saíram no primeiro tempo), mas novamente recebeu destaque pela sua agilidade e jogadas inteligentes com o ataque gremista.

O segundo tempo foi de calmaria para o Grêmio e de honra para os donos da casa que conseguiram marcar um gol e diminuir a goleada, além de evitar que o Grêmio ampliasse o placar. Aliás, méritos do goleiro Luiz Muller. O defensor na etapa inicial falhou em mais de um gol em que estava mal colocado, porém se redimiu nos 45 minutos finais, quando dificultou a vida do Kléber e dos demais com várias defesas importantes.

Com mais essa vitória, o tricolor mantém a campanha de 100%, e junto do rival colorado possui o melhor ataque do campeonato. Aliás, como falei no post sobre a lavada do Inter ontem contra o Ju, a dupla tem elevado o nível da competição de forma a tornar cada vez mais difícil que os times do Interior consigam superá-los. É… O ano começou pra valer em Porto Alegre.

VERANÓPOLIS 1 X 4 GRÊMIO

Gols: Gilberto Silva, 1’1T(0-1); Marcelo Moreno, 19’2T(0-2);  Fernando, 24’2T(0-3); Gabriel, 41’1T(0-4) e Lê, 30’2T(1-4).

VERANÓPOLIS: Luiz Müller, Raulen, Fred, Emerson e Emanuel  (Fininho, 20’2T); Marcos Rogério, Eduardinho, Paulinho Dias e Leandro Diniz  (Maranhão, intervalo); Danilo Santos (Diogo Oliveira, 34’2T) e Lê – Técnico: Gilmar Dal Pozzo.

GRÊMIO: Victor, Gabriel, Gilberto Silva, Werley e Julio  Cesar (Pará, 34’2T); Fernando, Léo Gago, Souza e Marco Antônio (Bertoglio,  16’2T); Kleber e Marcelo Moreno (André Lima, 26’2T) – Técnico:  Vanderlei Luxemburgo.

Fonte: Terra Esportes e Lancenet.com.br


Dátolo, Damião e Jajá: os três reis magos do Beira-Rio

17/03/2012

Inter aplica goleada de 7 a 0 no Juventude. E aí a gente se pergunta… E a novidade? Pois eu respondo: Jajá. O menino grande e corpulento entrou para os 15 minutos finais e transformou o jogo. Padrão triste para o Ju que depois de quatro anos conseguiu alcançar a marca dos humilhantes 8 a 1 na final do Gauchão de 2008.

Jajá na coletiva: escolhido pela imprensa como o nome do jogo (foto: Queki/SAFC)

O Juventude, que havia feito um primeiro turno digno, expôs da forma mais drámatica suas falhas como equipe e uma recorrente inofensividade contra o Inter, principalmente em terreno colorado. O pobre goleiro Follmann, que fazia sua estreia no confronto, já leva consigo uma traumática derrota para sua carreira.

Na partida, os caxienses tiveram poucas jogadas de ataque, e as que tiveram todas pararam nas mãos de Muriel, que mostrou ser eficiente nas defesas e saídas por baixo, diferentemente do que faz nas bolas aéreas e de longo alcance, coisa que por sorte e incompetência dos adversários, não ocorreu.

O Inter, por sua vez, mostrou novamente e de forma sequente (lembrando a última partida contra o The Strongest) porque é um time a ser temido, tendo um dos setores ofensivos mais perigosos do país. O diferencial é o banco, que é capaz de substituir à altura. Coisa rara nos demais melhores times brasileiros.

Jajá foi a grata surpresa da tarde. Dos setes gols fez dois e deu assistência para outros dois, ou seja, com participação direta em mais da metade do placar, tudo isso em pouco mais de 15 minutos da etapa final. Damião mais uma vez apresentou oportunismo, marcando outros dois gols. Voltou a ser o Damigol que sabe estar no lugar certo, na hora certa.

Mas na minha opinião, Dátolo conseguiu novamente ser o nome da partida. Participou de todas as jogadas de ataque do colorado durante todo o tempo que ficou na partida, e ainda marcou o dele. Dátolo serve de armador, de atacante pela esquerda e pela direita, tem facilidade em se entrosar com Oscar, Dagoberto e Damião e é um pensador rápido, originando o primeiro gol do jogo numa cobrança de escanteio mais que inteligente.

Ele resolve: Jesús Dátolo (foto: Wesley Santos/Futura Press)

A vitória elástica e fácil afirma a boa fase do Inter, principalmente do ataque. Mas o que ainda é possível notar e que pode ser um problema mais adiante para o time são as falhas defensivas e individuais de alguns jogadores como Elton e Rodrigo Moledo, que desde o jogo contra o Santos têm se mostrado inseguros. Moledo não tem vencido disputas de cabeça e Elton desarma pouco e tem marcado mal. Muriel ainda não me convence no gol, mesmo com a boa partida de hoje.

O Inter, com campanha de 100%, está criando um padrão interessante para o futebol gaúcho, forçando os rivais a não ficarem para trás. Agora o campeonato tem tudo para ficar acirrado, como deve ser.

INTERNACIONAL 7 x 0 JUVENTUDE

Gols
INTERNACIONAL:Leandro Damião, aos 17min do primeiro tempo e aos 18min do segundo tempo; Dátolo, aos 10min do segundo tempo; Jajá, aos 31min e aos 35min do segundo tempo; Jô, aos 35min e Oscar aos 37min do segundo tempo

INTERNACIONAL:Muriel; Nei, Rodrigo Moledo, Índio e Kleber (Fabrício); Élton, Bolatti, Oscar e Dátolo (Jajá); Dagoberto e Leandro Damião (Jô) Treinador: Dorival Júnior

JUVENTUDE: Follmann; Élder Granja, Ricardo Filho, Rafael Pereira e Everton; Léo Maringá, Nem, Jardel, e Athos; Jonatas Belusso e Mithyuê (Eraldo) Treinador: Alexandre Barroso

Fonte: Terra Esportes


Para lavar a alma

14/03/2012

Depois da derrota para o Santos por 3 a 1, da lesão do D‘Alessandro e das atuações não convincentes, o Inter precisava se reafirmar diante do The Strongest, da Bolívia. Até porque jogava em sua casa, no Gigante da Beira-Rio, com 25 mil colorados apaixonados empurrando o time.

Caso não vencesse, a situação do time na Libertadores ficaria complicada. Mas venceu. Melhor ainda: goleou. Lavou a alma dos torcedores preocupados com o time, do técnico que já estava sendo contestado e, claro, dos jogadores. Lavou a alma de Leandro Damião, que voltou a fazer uma grande atuação, marcou três gols dos cinco marcados no jogo. O primeiro gol foi de Dagoberto.

Quem substituiu à altura o argentino D‘Alessandro foi o outro Hermano, Dátolo. Parecia integrado à equipe, seguro e fazendo grandes jogadas. Participou de três gols.

O centroavante voltou. (Foto: Alexandre Lops/Site do Internacional)

O jogo começou eletrizante. Aos quatro minutos, Dagoberto abriu o placar. Já aos seis minutos, o centroavante Leandro Damião empurrou para o fundo das redes. No resto do primeiro tempo, o Inter caiu de rendimento, tranquilizou-se pelo placar. A torcida até ensaiou umas vaias, mas ganhando de 2 a 0, não tinha do que reclamar.

No segundo tempo, o colorado voltou “mordendo“ novamente. Damião fez mais dois gols. Quando foi substituído por Jô, a torcida gritou o nome de Leandro Damião com muito afinco. E aí Jô fez o gol derradeiro. E ficou assim. Em 5 a 0, a alma lavada, os corações colorados aliviados e a esperança de atuações melhores.

INTER: Muriel; Nei, Rodrigo Moledo, Índio e Kleber; Guiñazu, Tinga (Bolatti), Dátolo (Gilberto) e Oscar; Dagoberto e Leandro Damião (Jô). Técnico: Dorival Júnior

THE STRONGEST: Daniel Vaca; Enrique Parada (Marcos Paz), Delio Ojeda, Luis Méndez e Jair Torrico; Matías Marchesini, Chumacero, Sacha Lima (Nelvin Soliz) e Cristaldo; Pablo Escobar e Sebastián González (Melgar). Técnico: Mauricio Soria


%d blogueiros gostam disto: