Sem vontade, sem gols

20/10/2012

Um jogo apático, na maior parte do tempo. Foi assim o embate entre Grêmio e Coritiba, esta noite no Estádio Olímpico. Salvo a grande atuação de Zé Roberto e a reestreia de Bertoglio, o Grêmio não teve muito de positivo para apresentar ao seu torcedor. Para a sorte dos gremistas, o Coritiba também não estava em seu melhor dia. O placar zerado reflete bem o que foi partida, muito devido à falta de pontaria dos dois ataques.

O Grêmio começou pressionando o Coxa, com boas jogadas no meio de campo, armadas pelo inspirado Zé Roberto, que foi de longe o melhor em campo. O Coritiba ficou na defensiva, aproveitando contra-ataques para tentar levar perigo à meta de Marcelo Grohe. E o primeiro tempo do Grêmio ficou resumido a isso, boas jogadas de Zé Roberto, o retorno de Julio César à lateral e oportunidades perdidas por Leandro e Kleber. Do lado paranaense, o ataque também não se encontrou, com Marcel mostrando que continua com o mesmo futebol de quando jogava pelo Tricolor.

O melhor do jogo ficou por conta da boa atuação de Zé Roberto – Foto: Lucas Uebel

No segundo tempo, o jogo piorou. Aquela pressão inicial já não existia e os dois times pareciam a fim de segurar o empate. O Coritiba até saiu mais para o ataque do que na primeira etapa, mas com a mesma ineficiência de antes. Fica o elogio para as defesas, ambas bem postadas, sem dar muita chance para os atacantes.

Luxemburgo tentou dar outra cara à partida, alterando o time. Ele promoveu o retorno de Facundo Bertoglio ao time, no lugar de Fernando. Bertoglio entrou bem, mostrou uma boa movimentação e vontade de atuar. Mas nem a sua entrada, juntamente com a de André Lima no lugar de Leandro e de Tony na vaga de Julio César bastaram para melhorar a situação.

O Grêmio resumia seus ataques a chutes de média distância, a maioria pelos pés de Elano, um tanto apagado na partida. O Coxa também se aventurou no ataque, quase abrindo o placar com Vinícius e Dênis. O velho Marcel não contribuiu muito, mas isso já não é novidade. Mas foi dele a última oportunidade do jogo, recebendo de Gil e mandando uma cabeçada que levou perigo a Marcelo Grohe.

Com o empate, o Grêmio joga uma pá de cal sobre as remotas chances de alcançar o Fluminense. Agora, concentra todas as forças na Copa Sul Americana e também na briga pela segunda colocação no Brasileiro, para garantir, de uma forma ou de outra, a tão sonhada vaga para a Libertadores do ano que vem.

O Tricolor se manteve em terceiro lugar, agora com 59 pontos, um a menos que o Atlético-MG, que joga amanhã contra o líder Fluminense. Nessa rodada, o Grêmio ainda não corre risco de ser ultrapassado pelo São Paulo, que tem 4 pontos a menos que os gaúchos. Porém, é hora de acender o sinal de alerta no Olímpico, já que essas bobeadas em casa podem custar caro aos planos gremistas para a próxima temporada.


Agora é tudo pela Libertadores

18/10/2012

Emoção não faltou no duelo Tricolor desta noite. Quem foi ao Engenhão prestigiou uma disputa de igual para igual, com duas equipes determinadas a vencer uma partida que valia 6 pontos na briga pelo título de Campeão Brasileiro.

O Grêmio iniciou o jogo indo para cima do Fluminense, ignorando o mando de campo do adversário. Logo aos 6 minutos já havia mandado uma bola na trave, enquanto o Fluminense respondia a pressão, defendendo sua significativa vantagem na tabela. Foi assim durante todo o primeiro tempo, com boas possibilidades de ambos os ataques e grandes defesas de Marcelo Grohe e Diego Cavalieri.

No segundo tempo, o jogo pegou fogo. Quem abriu o placar foram os visitantes, com um belo gol de Elano, numa cobrança de falta na entrada da área do Fluminense. Com o placar desfavorável, os cariocas reagiram logo em seguida. Após cobrança de escanteio, a bola sobrou livre para Digão, que mandou pras redes, deixando tudo igual. Minutos depois, veio a virada do líder. Rafael Sóbis chutou de fora da área e Grohe aceitou: 2 a 1 para o Fluminense.

Marcelo Moreno foi expulso após ficar menos de um minuto em campo – Foto: Edu Andrade/Gazeta Press

Além da vantagem na tabela e no placar, os cariocas também tinham a seu favor o fator local, a torcida e, principalmente, os erros pontuais do Grêmio. Um desses erros acabou mudando o panorama do jogo, quando Marcelo Moreno, recém chegado da seleção Boliviana, saiu do banco de reservas para entrar no segundo tempo. A entrada de Moreno no lugar de Leandro praticamente decidiu o jogo. Ou melhor, a saída dele. Com menos de um minuto em campo, o atacante gremista atingiu Rafael Sóbis com o cotovelo, em sua primeira disputa de bola. Primeira e última. Moreno recebeu o cartão vermelho direto, deixando o Grêmio com 10 em campo e precisando virar o placar.

E o Grêmio não se entregou: após cobrança de falta de Leo Gago, Zé Roberto recebeu de Marquinhos e marcou seu primeiro gol com a camisa do Grêmio. E ficou nisso, o tricolor Gaúcho superou a desvantagem numérica e fez o líder tropeçar em casa. O único motivo para não se considerar o resultado como bom para o Grêmio é o fato do empate praticamente acabar com as pretensões gremistas de encostar na liderança. Com 69 pontos, o Fluminense abriu vantagem de 11 pontos sobre o Grêmio, o que torna improvável alguma ameaça ao título, que se encaminha mesmo para as mãos cariocas.

O Campeonato do Grêmio agora é, oficialmente, a busca pela segunda colocação, que garante a vaga direta para a Libertadores 2013. Essa, aliás, sempre foi a meta estabelecida pelo clube para este ano, mesmo que a possibilidade de título tenha brilhado aos olhos dos gremistas, chegado perto de virar objetivo.


Nóis trupica mais não cai

16/09/2012

As rodadas que aconteceram nesse final de semana estavam perfeitas para alguns e indiferente para outros. Grêmio seguindo com a tentativa de ser líder e o Inter na cata da vaguinha para a Libertadores.

Seguindo pela lógica, foi tudo perfeito até as 18h de domingo. Fluminense perdeu, Atlético -MG também, Vasco empatou e o Grêmio pegaria o Flamengo, que parece estar tentando abraçar o Palmeiras e rumar para a série B. O Inter, por sua vez, tinha como aliado um jogo dentro de casa contra o Sport. Um time relativamente fraco.

Era A HORA da gauchada ganhar e ficar com seus méritos de bons times e engrandecer mais ainda a semana Farroupilha. Mas quando tudo vem de mão beijada, aí que o negócio fica pior. O Grêmio saiu ganhando da cariocada, o que era muito óbvio já que o time da gávea anda de mal a pior. O problema é que logo depois do gol, feito por Marcelo Moreno, a equipe recuou, o goleador saiu e aí que ninguém entendeu mais nada. Perfeito para o pior acontecer. Já na segunda etapa, Adryan, que entrou no intervalo no lugar de Luiz Antônio, empatou aos 16min em uma bela cobrança de falta. O flamenguista chutou no ângulo direito de Marcelo Grohe, sem chances de defesa para o goleiro. E assim ficou Flamengo x Grêmio. Os “urubus” seguem perigando o Z4 e o Tricolor ficou com 48, na terceira colocação, a três pontos dos alvinegros de Minas Gerais.

Foto: Alexandre Loureiro/Vipcomm/Divulgação

E o Seu Inter não agradou nada nada os poucos torcedores que foram ao estádio. Mas poderia ser pior. Rithlelly e Gilsinho marcaram para os visitantes na primeira etapa. No segundo tempo, na tática do abafa, Cassiano descontou, e Leandro Damião decretou o empate. O centroavante, para desespero dos presentes, ainda perdeu um gol feito. Aí todo mundo pirou de vez. O Saci, com essa, não vence em casa duas seguidas a 100 dias. Quer pior?

Foto: Edu Andrade/Gazeta Press

Mas pensando bem, os gaúchos trupicam, mas não caem. Pensem no Palmeiras.

 

 

 


Empate com o ídolo

01/07/2012

A proposta era voltar de viagem com 4 pontos. Ganhou do Sport e empatou com o Bahia, conseguiu. Mas, para a torcida, é pouco. Quem quer ser campeão brasileiro não pode empatar jogos relativamente fáceis, como contra o Bahia.

Jajá não foi bem no jogo. (Foto: Alexandre Lops)

O jogo foi marcado pelo reencontro do colorado com Paulo Roberto Falcão, mas quem foi vaiado o tempo todo foi Bolívar, que no ano passado deu uma entrada dura em Dodô, e o jogador rompeu os ligamentos.

No final do primeiro tempo, quando o placar ainda estava zerado, Gabriel abriu o placar para a equipe baiana. No segundo tempo, o zagueiro Índio igualou.

Apesar do empate, o jogo foi muito bom, com grandes tentativas, mesmo que com poucos gols. Falcão saiu sem a vitória, mas com impressão de estar bem na equipe nordestina.

Bahia: Marcelo Lomba; Fabinho, Titi, Danny Morais e Elder; Fahel, Diones (Kléberson), Mancini e Gabriel (Vander); Elias e Jones (Lulinha). Técnico: Falcão.

Internacional: Muriel; Nei, Bolívar, Índio e Kleber (Fabrício); Elton, Guiñazu, Oscar, D’Alessandro e Jajá (Gilberto); Leandro Damião. Técnico: Dorival Júnior.


Só um pontinho. Eta soneca

10/06/2012

Alguns por aí declararam Fluminense x Internacional como o novo clássico brasileiro. Tal dito sai da última partida dos times, que marcou as oitavas de final da Libertadores da América. De um lado o bi campeão da competição Sul Americana. Do outro, alguns heróis dessa conquista como Abel Braga, Rafael Sóbis e Edinho. Bom, vendo por esse lado, até concordo com o codinome Clássico. Nem Inter e nem Flu estão disputando a taça, porém, fizeram a partida da rodada do brasileirão deste final de semana. E essa grande partida não saiu das duas bocas abertas bocejando. O 0x0 cansou o torcedor.

Não houve nada de super extraordinário nesse jogo. Não digo pela ausência de Oscar e Damião, que recém retornaram da Seleção Brasileira, pois acredito que, mesmo se ambos estivessem em campo, a história não teria mudado tanto. Nem a arbitragem, nem a escalação colaboraram. Dorival mandou para campo um estranho 4-3-3 que mostrou moleza e passes errados no primeiro tempo. Com a vinda do intervalo, todo mundo achou que os mais cansados sairiam de campo para a entrada de sangues famintos por gol. Mas não. O técnico do Inter seguiu com Marco Aurélio e Gilberto. Não avançou o time e deixou o recuo como o seu principal trunfo.

Fez errado, pois em vista o Fluminense não conseguia as finalizações que trabalhou. Foram 2 pontos perdidos para o Inter que estava melhor em campo mas teve seus pontos prejudiciais. Os Próximos jogos já contam com a participação dos garotos da Seleção (inclusive Guiñazu que jogou pela Argentina). Esse um ponto somado fora infelizmente fez o Inter cair para a quarta colocação.

Internacional: Muriel; Nei, Indio, Rodrigo Moledo, Fabrício, Jajá, Elton, Sandro Silva, Dagoberto (Fred), Marcos Aurélio (Mike), Gilberto (Maurides).

Fluminense: Diego Cavalieri, Bruno, Anderson, Gum,Carleto, Deco, Jean, Edinho, Wagner (Lanzini) Wellington Nem (Matheus Carvalho) Fred (Samuel).


Jogo dos erros!

26/05/2012

Flamengo em crise. Inter desfalcado. Damião e Oscar estavam fora porque foram convocados para a Seleção Brasileira, D’Alessandro ainda sente desconforto muscular na coxa esquerda, Sandro Silva tem um corte no joelho direito; Kleber se recupera de uma lesão muscular na coxa esquerda, João Paulo tem inchaço no pé direito, Jajá está afastado pelo clube por indisciplina e Bolívar cumpre suspensão.

O colorado entrou com três volantes, Elton, Guiñazu e Josimar. E Gilberto e Dagoberto formaram a dupla de ataque. Mas logo depois do apito inicial já começou a sequência de erros. Aos 8 minutos, Ronaldinho Gaúcho cobrou um escanteio fechado, Muriel defendeu, mas no rebote Aírton mandou para o fundo das redes de pé esquerdo. O sistema defensivo colorado não subiu, não marcou. Como no jogo contra o Fluminense, a bola parada foi a grande vilã.

Depois, Índio falhou, não conseguiu alcançar Ibson e cometeu um pênalti infantil. Segundo erro grave. Ronaldinho Gaúcho cobrou e fez o segundo do time carioca. Aí quem saiu errado foi o Flamengo. A bola bateu na canela de Luiz Antonio e Gilberto aproveitou. 2 a 1.

No segundo tempo, Dorival colocou Maurides, atacante de 18 anos, para fazer sua estreia. O colorado voltou atacando mais. Só que bem no comecinho, 8 minutos, teve outro erro. Rodrigo Moledo deixou Vagner Love entrar livre na área. Ele bateu no canto e não deu chance a Muriel. Flamengo fazia 3 a 1. Dessa vez o erro foi da defesa flamenguista, que deixou Fabrício chutar sozinho de fora da área, no ângulo Paulo Victor.

Ronaldinho Gaúcho foi muito vaiado. Foto: Alexandre Loureiro / Vipcomm

Aí veio o erro que gerou muitas vaias para Ronaldinho Gaúcho. R10 perdeu uma bola no meio campo, o que resultou no gol de empate colorado. Dátolo chutou de fora da área, no canto. Era o empate, 3 a 3. A boa surpresa foi Maurides. O guri entrou quando o Inter perdia, no Engenhão, contra o Flamengo, e fez boas jogadas, apareceu bastante, não ficou com medo. Mas, no fim das contas, o jogo dos erros saiu barato com esse empate.

Flamengo: Paulo Victor; Léo Moura, Welinton, González e Magal; Aírton (Amaral), Luiz Antônio (Renato Abreu), Kleberson e Ibson; Ronaldinho Gaúcho (Deivid) e Vagner Love. Técnico: Joel Santana

Inter: Muriel; Nei, Rodrigo Moledo, Índio e Fabrício; Elton, Guiñazu, Josimar (Maurides) e Dátolo; Dagoberto (Bolatti) e Gilberto (Marcos Aurélio). Técnico: Dorival Júnior.


Tudo para o Beira Rio

06/05/2012

Primeiro jogo da final do Campeonato Gaúcho. Cenário: Estádio Centenário. Protagonistas: Caxias do Sul e Internacional. Uma final de campeonato regional pouco vista. Em todo o Brasil se acompanhava suas finais. Cada estado com seu clássico e o Rio Grande do Sul não ficaria sem o seu tradicional espetáculo.

É costume do povo gaudério acompanhar um Gre-Nal marcando o fim do primeiro semestre de bola. Mas que mostrou que no interior também tem bom futebol foi a equipe grená.  Quem estava presente na serra pode ver o Caxias fazendo o primeiro gol e dominando o campo durante todo o primeiro tempo. Mateus foi o nome da alegria Caxiense. Seria inédito a vitória para o time que disputa a série C diante do gigante Internacional, porém não é de se esquecer que uma partida é feita de 90 minutos. E os outros 45 minutos vieram.

Oscar, depois de toda a novela diante do São Paulo, fez por merecer toda a vontade e saudade que o torcedor colorado estava dele. Além de se destacar na equipe Porto Alegrense, o garoto marcou o gol de empate do Inter. Sozinho, ele driblou tudo e todos e ganhou o carinho dos presentes. Em sua comemoração, ele chorou emocionado.

E assim ficou a primeira partida. O 1×1 é bom para o Colorado por obter o gol qualificado fora de casa. Domingo que vem é decisão no Estádio Beira Rio. Iremos conhecer o Campeão Gaúcho de 2012.

Caxias 4-4-2: Paulo Sérgio; Michel, Jean, Lacerda, Fabinho; Wangler (Juninho), Umberto, Mateus, Vanderlei (Marcos Paulo); Caion (Rafael Santiago), Paraná

Internacional 4-5-1: Muriel; Nei, índio, Bolívar, Fabrício; Guiñazu, Tinga (João Paulo), Sandro Silva, Oscar, Jajá (Gilberto); Jô


%d blogueiros gostam disto: