Semana para despachar os “Santas”

14/05/2013

A semana é de decisão para a dupla Gre-Nal e decisões abençoadas. Aqui no Estado, o Internacional decide seu futuro na Copa do Brasil diante do Santa Cruz. Um pouco mais longe, na Colômbia, é o Grêmio que vai ou racha na Libertadores contra o Santa Fe.

O primeiro a entrar em campo é o Colorado. Na quarta-feira, a partir das 22 horas, o time de Dunga enfrenta a equipe pernambucana, que assim como o gaúcho, também venceu o estadual. Motivado com a vitória sobre o rival Sport, o Santa Cruz desembarcou ontem à noite em Porto Alegre e o discurso dos jogadores era um só: atacar!

No jogo de ida, o Colorado ficou no 0 a 0 contra o Santa Cruz

No jogo de ida, o Colorado ficou no 0 a 0 contra o Santa Cruz

Que Dunga e companhia estejam de ouvidos bem abertos porque, convenhamos, 0 a 0 em Pernambuco não é lá um grande resultado. Qualquer empate com gols dá ao Santa Cruz a chance de seguir vivo na Copa do Brasil. Em contrapartida, 1 a 0, um placar fácil para o elenco colorado, garante o Inter na próxima fase.

E como falamos em “discurso”, lá nas alturas de Bogotá uma entrevista do atacante Wílder Medina ao jornal Marca fez a comissão gremista soltar “fogo pelas ventas”. Em público, e para os jornalistas, o papo foi amenizado, mas uma declaração do assessor de futebol do Grêmio, Marcos Chitolina, deu o tom que será o vestiário. “Vamos ver ainda se usamos a frase no vestiário. Depois do jogo, vamos decidir quem vai comer quem”, afirmou Chitolina.

Grêmio terá que entrar em campo com essa mesma garra de Fernando (Foto: Guilherme Testa/ Fotoarena)

Grêmio terá que entrar em campo com essa mesma garra de Fernando (Foto: Guilherme Testa/ Fotoarena)

Em mais um jogo decisivo o tricolor terá que entrar novamente em campo sem Luxemburgo. O técnico gremista teve a pena de seis jogos de suspensão mantida pela Conmebol. Quem guiará o time novamente é Roger – o que eu acho bem bom, mas isso é assunto para outro post.

Por ora, rezemos para os “Santas” entrarem em campo como coroinhas e que obedeçam aos deuses gaúchos!

Anúncios

Imortal Tricolor …

23/04/2013

Meu Deus! O que acontece com o Grêmio alguém pode me explicar? O que foi esse jogo contra o São Luiz? Já diria alguém… “Não tá no gibi!”. Jogo ruim, resultado favorável, mas péssimo. Garantindo a vaga nos pênaltis, por 5 a 3, o tricolor vai decidir a classificação para a final em Caxias do Sul contra o Juventude.

Explica Luxemburgo!   (Foto: Divulgação/ Grêmio)

Explica Luxemburgo! (Foto: Divulgação/ Grêmio)

Na quinta-feira havia sido aquele jogo de “meu Deus” lá no Chile. Há quem diga “com a cara do Grêmio” ou “guerreiro imortal”. Convenhamos… Chega, né?! O torcedor nem cobra por espetáculo, mas sim por qualidade.

Os dois últimos jogos do tricolor foram medíocres. Sim, medíocres! Não sei se é falta de interesse, problemas em casa, com a mulher ou no vestiário. Mas assim não dá mais. Não é possível ter tranquilidade olhando o jogo. É sempre perigoso. Por vezes o Grêmio até consegue envolver o time adversário, que no caso dos dois últimos, não eram times de ponta, mas logo degringola.

Em campo, jogadores como Barcos – que sem meio de campo só recebe bola quadrada – sem jogar o que sabe. Outros ficam se enrolando como Vargas e André Santos, vindos a preço de ouro, eles poderiam se doar um pouquinho mais, não?

barcos

Pelo Twitter, o zagueiro Cris, que não andou se comportando bem, disse: “Classificação suada contra o São Luiz no Gauchão. O mais importante é vencer!”. Não, não é só isso o mais importante. O mais importante é vencer dando segurança que o próximo jogo será melhor, mas o que anda acontecendo no Grêmio é que a cada jogo o time está pior.

Assim, que me desculpem os gremistas, o tricolor imortal não passa da próxima fase do Gauchão. Quiçá da Libertadores.


Em busca da explicação

16/04/2013

É sério. Todo gremista esperava uma campanha melhor do tricolor na Libertadores. Em cinco jogos, até o momento, foram duas vitórias, duas derrotas e um empate. Por incrível que pareça, as derrotas foram para os times, teoricamente, mais fracos.

O elenco do Grêmio é muito bom. O time tem jogadores importantes, atletas que sabem o que fazer com a bola no pé. O técnico é um cara experiente. Experiente na vida, no campo, em títulos. O presidente não é daqueles que fica atrás de uma mesa. É daqueles que vive o jogo, que motiva o time, que interfere quando precisa.

Foto: Uol Esporres Fábio Koff é tão estrela quanto qualquer jogador

Foto: Uol Esportes
Fábio Koff é tão estrela quanto qualquer jogador

Então, o que acontece com o Grêmio? Uma campanha mediana, que só não deve colocar a classificação em risco, porque a equipe gaúcha precisa de um empate para seguir a adiante. Só não complica porque os outros times da chave fizeram campanha tão mediana quanto. O primeiro colocado tem oito pontos e o último seis. Todos têm chances de classificação, obviamente, com resultados combinados, mas têm.

O tricolor embarcou ontem para o Chile, onde enfrenta o Huachipato na quinta-feira, às 22 horas. Luxemburgo já definiu a equipe, que será a mesma que empatou em 0 a 0 com o Fluminense, na Arena. Só muda Marco Antonio, que machucado, dará lugar a Adriano.

Barcos e Vargas estão confirmados na frente. Afinal, o Vargas é chileno e conhece como os conterrâneos jogam. Pelo menos, é o que diz Luxa. O comandante tricolor também pediu que o grupo ‘pense e respire’ a decisão contra o Huachipato.

Não acredito que o Grêmio não se classifique. O tricolor tem estrela, tem garra, tem história. Mas é preciso muito mais do que isso para seguir adiante numa competição tão ferrenha quanto a Libertadores.


E começa a Copa do Brasil…

02/04/2013

É muito interessante esta sistemática da Copa do Brasil, mas convenhamos, é muito estressante em alguns casos. Veja o caso do Inter. O time porto alegrense, depois de 10 horas de viagem, chegou ao Acre, que além de ser longe pra caramba ainda tem uma hora de fuso horário. Quer coisa mais estressante do que isso?

Pois bem, mas ainda assim continuo sendo uma defensora, mesmo que para isso, em alguns momentos, tenha que se abrir mão do conforto. Os caras ganham um baita salário e podem. E agora, o que dizer do adversário? Neste caso, a coisa é injusta. Só o salário do D’Alessandro pode cobrir a folha de pagamento do Rio Branco por um ano. O time todo ganha R$ 80 mil. Caso o Inter não ganhe por mais de dois gols de diferença, o time do norte terá que vir para Porto Alegre.

Mudando um pouco de assunto, mas ainda o mesmo foco

A dimensão continental do Brasil deve ficar de lado quando falamos de futebol. Temos nas regiões norte e nordeste os maiores públicos em jogos. Em contrapartida, temos no sul e no sudeste os maiores times, os jogadores mais bem pagos, os melhores estádios, etc.

Os pequenos times dos interiores do País conseguem em jogos como este Rio Branco e Inter, por exemplo, encher o caixa e dar mais dignidade aos seus jogadores e ainda, em alguns casos, até fazer uma reforminha no estádio. Imagina se derrubar um grande?! Aí sim, é festa! Isso sem contar a possibilidade do torcedor, que está fora da sua terra natal, encontrar com o time de coração, que em outra ocasião não iria tão longe jogar uma partida.

Isso é o que eu acho de mais legal na Copa do Brasil. Esta oportunidade de trocas, de conhecimento, de admiração, de público, de igualdade, mesmo que desigual, é o que faz com que o futebol fique um pouquinho mais justo no Brasil.

Só pra lembrar

Este ano, a Copa do Brasil será disputada por 86 clubes e será dividida em sete fases regidas pelo sistema de eliminatórias simples em partidas de ida e volta. O clube que somar o maior número de pontos ganhos ao final do confronto estará classificado para a fase seguinte. Na primeira e segunda fases, o clube visitante que vencer a primeira partida por dois ou mais gols de diferença estará automaticamente classificado sem a necessidade da realização da partida de volta.

Por disputar a Libertadores da América, Grêmio, Fluminense, Corinthians, Atlético Mineiro e Palmeiras entram na disputa apenas nas oitavas-de-final assim como o Vasco, que herdou a posição do São Paulo (que além da Libertadores, também participa da Copa Sul-americana e não participa da Copa do Brasil).


Faltou garra, sobrou estrela

15/02/2013

Uma estreia para esquecer. A derrota de ontem à noite para o Huachipato na Arena não deixou dúvidas: estrelas não entrosadas não servem. Já temos a Seleção Brasileira assim, não precisava no Grêmio, né?! O jogo também serviu para nos mostrar, mais uma vez, que salto alto só é bonito em mulher e não em jogador de futebol.

Lucas Uebel/ Grêmio

Foto: Lucas Uebel/ Grêmio

Acredito que faltou a Luxemburgo ter bom senso na escalação. Colocar todo mundo que chegou agora em campo foi uma falha grotesca. Um técnico experiente sabe que é preciso muito treino e jogos para que os jogadores saibam reagir ao olhar do parceiro e entender a próxima jogada. É preciso estar em campo algumas repedidas vezes para poder fazer “aquela” troca de passes. Tudo bem, às vezes, a regra não é precisa, mas a partida de ontem nos mostrou que do jeito que foi não dá.

Não seria a hora de Luxemburgo descer da toca de ouro em que ele vive e viajar esse estado de meu Deus e levar essas estrelas para jogar? Seria uma ótima oportunidade. Ok! Alguns dirão, “os calendários do Gauchão e da Libertadores não permitem isso!” Eu sei, mas novamente, sempre tem exceção. E nessas exceções acredito que seria uma boa oportunidade.

AFP

Foto: AFP

E outra, Luxemburgo, mais uma vez, colocou a culpa no gramado. Não,né amigo?! Faltou competência, garra – típica do imortal – entrosamento, efetividade no ataque, e, em minha opinião, o fundamental, qualidade de passes. Agora, o comandante gremista quer voltar a jogar no Olímpico. “A OAS e o Grêmio tem que discutir isso”, palavras de Luxa.

O próximo jogo é fora, no Rio, e contra o Fluminense, atual campeão brasileiro e todo o resto que já sabemos. Vem dureza, amigo! E antes de terminar preciso dizer, pra mim, a derrota gremista tem um nome: Luxemburgo. Sobre o Olímpico: se é pra voltar a ter garra eu sou a favor, a final a velha casa será sempre imortal.


O retorno

06/02/2013

Hoje, um pouco mais de uma década, Luiz Felipe Scolari, ou, simplesmente, Felipão, entra em campo como comandante maior da Seleção Brasileira. Junto, entram com ele, a esperança do heptacampeonato mundial, de um time harmônico, não de um espetáculo, mas certamente de um belo jogo.

O brasileiro estava desacreditado na sua seleção. Por melhor, que, o também gaúcho, Mano Menezes fazia tudo parecia pouco. Até os jogadores pareciam desacreditar. Mas e hoje, será que isso muda? Tomara.

Foto: AE

Foto: AE

Felipão já disse que é para o povo preparar o coração, porque a seleção canarinho, aquela que vencia tudo, estava de volta. O técnico, vencedor por todos os times pelos quais passou, chegou dizendo que voltou para ganhar.

Em campo, Ronaldinho Gaúcho! Quem diria?! O guri rebelde voltou, esperamos que com seu melhor futebol. Luís Fabiano também volta. O fabuloso diz confiar em seu ‘taco’. Fred, bem não vou muito com a cara dele, está na disputa com Luiz Fabiano, prefiro olhar nesta ótica, apesar de achar que é LF que disputa com Fred.

Foto: EFE

Foto: EFE

Em entrevista coletiva à imprensa, Felipão falou que pretende manter ‘alguma’ base de Mano. Mas já alertou que vai fazer mudanças, que é necessário, e que não é para ninguém ‘se assustar’.

‘Não se assustem se um jogador que vocês imaginem que comece, não comece. Vai ter que haver uma organização entre primeiro e segundo tempo, a Inglaterra está preparada para 90 minutos, nós não’, afirmou Scolari.

A grande questão é que hoje, às 17h30, Inglaterra e Brasil entram em campo para uma partida que marcará os 150 anos da Federação Inglesa de Futebol e o retorno de Felipão. O clássico será no charmoso e imponente Estádio Wembley. A única certeza é que queremos vitória. E não só. Queremos uma vitória de nível, se possível, com show!


Vai uma lembrancinha?

14/12/2012

Contagem regressiva. Já foi o último Gre-Nal, já teve a inauguração da nova casa, já teve a Madonna, mas o Olímpico está lá. Firme e forte. Mas desde ontem as coisas começam a dar sinal de que, sim, vai acabar! Nesta quinta-feira o Grêmio começou uma série de leilões para comercializar bens e pedaços do velho Monumental da Azenha.

No primeiro dia, 25 itens renderam R$ 15 mil. O primeiro a ir para a casa de um tordedor foi a placa ‘Entre sem bater’ que ficava afixada na porta do RH do clube. Saiu por R$ 140. Cartazes indicativos dos portões, quadros alusivos às conquistas do clube, cadeiras, mesas, catracas, banners, emblemas e até o balcão do auditório do Conselho Deliberativo, sede do evento desta noite, viraram relíquias nas mãos de apaixonados tricolores.

Bola usada no último Gre-Nal pode ser arrebatada por R$ 5,6 mil (Foto: Lucas Uebe/Grêmio FBPA)

Bola usada no último Gre-Nal pode ser arrebatada por R$ 5,6 mil (Foto: Lucas Uebe/Grêmio FBPA)

Para quem não pode ir ao último Gre-Nal, ainda é possível ter uma lembrancinha da partida. Uma das bolas usadas do começou a ser leiloada. Por ora , está em R$ 5,6 mil e também será vendida pelo site meu pedaço do olimpico.

Até março, o Grêmio continua treinado no Olímpico. Depois o velho parceiro de conquistas dará lugar a empreendimentos residenciais e imobiliários.


%d blogueiros gostam disto: