Desabafo de um camisa 10

08/02/2012

Foto: Lucas Uebel

Ele foi contestado por muitos, amado por alguns. Era essencial na equipe gremista para uns, dispensável e “preguiçoso“ para outros.

Pois é, mesmo assim, Douglas estava no Grêmio há dois anos, sempre como titular da equipe. Na semana passada, Caio Jr. treinou com o camisa 10 no banco. E eis que, um dia depois, houve o anúncio oficial. O jogador estava acertado com o Corinthians e não atuaria mais no Grêmio. Desde lá, o meia não havia se manisfetado.

Hoje, ele divulgou uma carta aberta voltada, principalmente, aos torcedores gremistas. Aqui está a íntegra:

Galera, aguentei muita coisa calado e agora que ja assinei o meu contrato com o Corinthians posso falar sobre a minha saida do Gremio. Em primeiro lugar quero dizer que tenho enorme respeito pela torcida, tanto é que fiquei alguns meses sem receber minha imagem e nunca reclamei em publico para nao conturbar o ambiente, muito menos deixei de me empenhar dentro de campo. O que ganhei em troca disso foram declarações do Pelaipe me diminuindo e incentivando a torcida contra mim. Foi justamente isso que me deixou sem ambiente no Gremio e fez com que eu tomasse a decisão de mudar de clube.

O Pelaipe mandou outro empresario (que nada tem a ver comigo) me oferecer aos 4 cantos, depois queria pagar a divida q o Gremio tem com o Palmeiras me mandando pra la. Isso faz o jogador se sentir valorizado? Tinha ambiente pra eu continuar? E pra muita gente que ta falando besteira e me chamando de mercenario, é bom que saibam que vou jogar no Corinthians por um salário igual ou menor do que eu poderia ganhar ai. Tudo pela falta de respeito que o Pelaipe teve comigo.

Tem muitos torcedores hostilizando meus empresarios tambem. O que é um absurdo, afinal eles só brigaram pelo que era justo pra mim. Aliás, quero deixar aqui meu agradecimento ao Bruno Paiva, ao Marcelo Goldfarb, ao Marcelo Robalinho e a todos da Think Ball por essa força. Com tudo devidamente explicado, queria agradecer pelo carinho de vcs durante esses 2 anos! Um abraço a todos!

E para a imprensa, principalmente aqueles que vao estar na coletiva amanhã, quero dizer que foi a primeira e última vez que falei da minha saída do Grêmio. A partir de agora só falo do Timão!!

Douglas dos Santos.


Cabe a cada um interpretar a carta e julgar como achar devido. Eu continuo achando que Douglas era essencial à equipe do Grêmio e que nenhum jogador, nenhum profissional, deve ser tratado como simplesmente descartável.


Procura-se um camisa 10

03/02/2012

Douglas está de partida para o Corinthians. Segundo o diretor executivo do Grêmio, Paulo Pelaipe, o clube recebeu uma proposta do timão para levar o meia, e esta foi aceita pela direção.

(Foto: Placar)
(Foto: Placar)

Estive trabalhando nesta noite, entre os torcedores do Grêmio, no Olímpico e PASMEM, a maioria comemorou a saída do Douglas. Todos alegaram a má vontade do jogador nas últimas exibições.

Convenhamos: a torcida do Grêmio nunca foi fã do Douglas. Isso não é de agora. Sempre houve implicâncias e vaias, assim como foi com Jonas e Borges, que acabaram deslanchando ao sair do Olímpico.

Douglas é o tradicional camisa 10, à moda antiga. Aquele que centraliza a organização da equipe, troca passes curtos, longos, lançamentos, inversões de jogada e boas conclusões a gol. Infelizmente, nunca teve um jogador de velocidade ao seu lado. Assim como D’Alessandro, que tem o Oscar, e agora o Dagoberto no outro lado.

Não discuto a vontade do jogador nas últimas partidas, mas Douglas foi o artilheiro do Grêmio o ano passado, mesmo esta não sendo a sua principal função. Com Renato, ele foi um peça fundamental na arrancada do Campeonato Brasileiro de 2010. Aliás, é indispensável para o funcionamento tático do Grêmio, principalmente agora, que a direção finalmente montou um time competitivo, com Marcelo Moreno e Kleber na frente.

O jogador não queria ficar? Pode ser, e não acho errado da parte dele não querer continuar no clube, afinal, foram dois anos de titularidade, sendo fundamental taticamente na equipe, elogiado por todos os técnicos que ali passaram, mas nunca acabar caindo nas graças do torcedor por não ter as características, talvez castelhanas, de não dar carrinho. Mas nem por isso. Acredito que todo profissional tem direito de “mudar de ares”. Mas se é jogador, aí não vale nada, é mercenário, chinelinho e por aí vai…

Acho que a postura da direção do Grêmio foi correta. Fizeram três propostas ao jogador e todas foram recusadas. O mais racional a ser feito seria mesmo negocia-lo antes que pudesse assinar um pré-contrato com algum outro clube.

A pergunta que fica agora é: quem vai vestir a camisa 10?

No elenco atual do Grêmio, não vejo nenhum jogador com condições de assumir essa função. Isso ficou evidente na partida de hoje. O meio-campo praticamente não existiu, tanto é que Marcelo Moreno precisou recuar e servir Kleber, no gol que deu a vitória ao Grêmio.

Era ruim com Douglas, meus amigos? Pior será sem ele.

O Grêmio precisa urgentemente de reposição.

Certa vez, Ronaldo Nazário falou:

“Douglas foi o melhor meia que já joguei”.

Vindo de um dos jogadores mais brilhantes que já vi jogar, não devo estar tão errada assim por encontrar tanta qualidade no futebol do Douglas.


Iemanjá levou

02/02/2012

Enquanto você aproveitava seu feriado no cinema, no parque, tomando uma cervejinha ou até mesmo dormindo, aconteceram dois fatos imortantes no futebol e que, ambos, eu consigo vincular com o Grêmio.

1º Vanderlei Luxemburgo é demitido do Flamengo: A direção do time da gávea se reuniu nessa manhã e, sem pensar duas vezes, passou um pente fino no comando do urubu. Junto com Luxa, estão na dança do desempregado mais o diretor executivo Luiz Augusto Veloso,o gerente Isaías Tinoco, o preparador físico Antonio Mello e o auxiliar Junior Lopes. O que isso tem a ver com o Grêmio? Bom, o que er falado nos holofotes nessa semana é que o técnico Caio Jr anda balançando com o seu emprego. Mas… será?

Foto: Janir Junior

2º Douglas não é mais jogador do Grêmio: o Tricolor Gaúcho informou a pouco tempo atrás que liberou Douglas para acertar sua vida. Provavelmente será com o Corinthians, time  de onde veio o atleta e que já fez investidas no jogador. A negociação chega nos nossos ouvidos que o Timão gostaria de comprar Douglas por um valor estimado em 3 milhões de Reais. O jogador já não vinha respondendo o que devia dentro do campo. Hoje ele entraria em campo no banco de reservas. Quem faz a função do ex camisa 10 é Leandro.

Foto: Agência Reuters

E o Douglas no banco?

02/02/2012

É justo? Bom, as opiniões podem ser distintas. Mas um fato não pode ser negado: o camisa 10 gremista não vem demonstrando todo o futebol que sabe, e isso não é desde 2012. O ano passado foi de muito mais baixos do que altos, um Douglas contestado, bem diferente daquele maestro que jogou em 2010.

Indiscutível é que, com ou sem vontade, ele é fundamental no time. Ele articula, ele orquestra, ele é O camisa 10. E no atual elenco tricolor, não existe nenhum substituto, nem quando falamos do Douglas mais arrastado que pode existir em campo.

Que fase, maestro!

Porém, Caio Júnior está prestes a cometer a ousadia de colocá-lo no banco diante do São Luiz. O que veremos no Olímpico ao entardecer desta quinta-feira é um Grêmio com Marco Antônio e Leandro na armação. Se vai dar certo? Não tem como saber e não é uma partida isolada que dirá.

Segundo o técnico, a mudança ocorre por uma questão tática, alegando não ter encontrado um esquema ideal para utilizar o camisa 10. Mas também indica que a reserva possa alterar o comportamento de Douglas, tanto em relação ao empenho em campo quanto na forma física, visto que o jogador está com certos ‘kilinhos’ a mais.

Eu faço coro com o Caio Júnior. A hora para testar tudo o que for possível é agora! Se o maestro não vem orquestrando o time, não acho nada injusto esta balançada no jogador. Agora, se o meia continuar assim, o Grêmio não pode ficar na dependência dele, sonhando que o maestro de 2010 irá voltar. E a partir do momento em que algum nome aos moldes de Douglas surgir em termos de contratação, sinto muito… mas pode ser a hora de arrumar as malas e rumar para outro time.

Concorda? Discorda? Solta o verbo aí!


Convicção: não trabalhamos

27/01/2012

É preciso reconhecer o esforço que a direção do Grêmio, principalmente o diretor executivo, Paulo Pelaipe, vem fazendo nessa temporada. A contratação de bons jogadores, como Kleber e Marcelo Moreno mostram que o clube finalmente está pensando grande.

Mas ainda há uma coisa que falta na direção tricolor: convicção.

Digo isso por dois exemplos: Douglas e André Lima.

(Foto: Revista Placar)
(Foto: Revista Placar)

O caso do André é muito mais forte.

Esteve envolvido na negociação com o Palmeiras sem nem saber do que acontecia. Após recusar, lembro direitinho do senhor Paulo Odone, em entrevista coletiva, falando que havia conversado com o jogador e que o mesmo queria ficar no Grêmio. “É esse tipo de jogador que queremos, que queira o Grêmio”, chegou a afirmar o senhor presidente, naquela ocasião.

Tudo lindo, tudo maravilhoso? Não, logo em seguida, André Lima foi dispensado. Treinou separado, arrumou as malas pra voltar ao Rio e… PASMEM! Voltou ao grupo tricolor após ser rejeitado pela direção do clube.

O caso Douglas é mais tranquilo, mas não menos embaraçoso.

Pelaipe deixou claro: se Douglas não renovar contrato, não joga mais com a camisa Grêmio e vai treinar separado.

O que aconteceu? Douglas ainda não renovou e continua jogando.

Óbvio que o camisa 10 não poderia ficar fora, o time precisa dele. É um dos principais jogadores do Grêmio atualmente, a presença do Douglas é indispensável e justifica as contratações para o ataque.

Onde fica a convicção nesses casos?

Se for parar pra pensar, é como uma briguinha de namorados: primeiro machuca e depois volta atrás. Se não desgastar, é lucro.


Mosqueteiro na pele de Gladiador. Será que rola?

21/10/2011

O que anda rolando por aí é que um certo Gladiador, muito falado essa semana pelo mundo dos esportes (e também no Salto Alto, claro) estaria sendo sondado para atuar no campo dos pampas onde prevalece a figura do mosqueteiro.

Como nossos bons leitores sabem, Kleber andava tendo alguns problemas no Palmeiras, principalmente com o técnico Felipão. Portanto, agora que o atacante está soltinha na fita, louco para rumar para outro gramado, o nosso Grêmio pensou na possibilidade desse grande jogador pintar por Porto Alegre no ano de 2012.

Mas mas maaas como nem tudo são rosas e sempre tem algum empecilho para destruir com a felicidade de alguns, os jogadores do Tricolor que foram apresentados ao Palmeiras para possíveis trocas, não foram muito do agrado. Se tratam de atletas que não são muito aproveitados no Grêmio ou estão emprestados a outros times. São eles: Miralles, Leandro (emprestado ao Vasco) e Gabriel. Lembrando que o time gaúcho, no momento, não tem condições de viabilizar a compra de 50% do Kleber (os outros 50 são do Cruzeiro).

O nome que interessa mesmo os grandões das negociações é o de Douglas. Jogador muito contestado por aqui. Vaiado muitas vezes, porém, sua ausência faz uma falta tremenda em campo. Portanto, é hora de pensar direitinho.

O que acham?


O número que faz a diferença!

10/10/2011

O 10 atrás da camiseta.

Os jogos da dupla Gre-Nal deste fim de semana evidenciaram a importância que os camisas 10 possuem em ambas equipes:

Na vitória do colorado, D’Alessandro foi praticamente um maestro. Abriu o placar de 3×0 sobre o até então líder do Brasileirão e participou do lance do segundo gol. As faltas de Oscar e Damião quase passaram despercebidas diante da ofensividade e autoridade com que o Inter jogou ontem.

Já na derrota gremista em Curitiba, a ausência de Douglas foi um dos fatores que fez a equipe se perder em campo e não conseguir reagir diante do Coxa. Claro, Edcarlos também foi desfalque, assim como Brandão, lesionado logo no primeiro tempo de partida. mas a organização e criação da equipe tricolor foi praticamente inexistente sem o maestro no meio de campo.

Douglas e D’Alessandro

As ambições das equipes gaúchas no campeonato passam diretamente pela vontade, disposição e aproveitamento de seus 10. Se eles continuarem fazendo a diferença em campo (e não como desfalques), acredito que a dupla não terá mais tropeços como o Grêmio teve em Curitiba e como o Inter teve diante do Atlético-PR.

Concorda?


%d blogueiros gostam disto: