Crônica do irmão mais velho – o amor vem com o tempo

18/09/2015

Meu bom irmão, o mais velho vindo do ventre materno que chamamos de lar. Você ficou mais velho essa semana e eu, como um bom caçula, esqueci de te parabenizar no dia certo. Talvez considere isso como birra minha ou talvez ciúmes. Encare como quiser.

irmãos

O fato é que estou aqui para homenageá-lo, por mais que as brigas constantes fazem parte da nossa rotina. Ô se faz.

Escrevo-te de azul, sua cor favorita. Me reverencio pela quantidade de anos que está completando, afinal a minha juventude você não tem mais – hehe – porém eu gosto dessa sua experiência. É bom. Esse clima de rivalidade entre nós de quem faz melhor me diverte e muito.

Vou ser sincero, as vezes quero que você morra. E desculpe por publicar essas palavras tão… tão… macabras. Mas sei que o sentimento é recíproco. Lembra da primeira tunda que você me deu? Eu era apenas uma criança e você não teve dó nem piedade. A vingança veio tarde, mas chegou. Tive que criar uns músculos na perna para poder bater em você com a mesma força. Perdoe-me o trocadilho, mas precisei de uma CACHAÇA para chutar a sua canela 5 vezes.

Foi estranho quando você saiu de perto de mim. Éramos tão próximos. Vizinhos com tantas facilidades na hora das visitas (nem sempre de bom grato) e agora você se foi para longe. Preciso pegar um ônibus e um trem. Sua petulância de comprar uma casa nova e se exibir tão cheio de ar nesse peito me fez crescer também. Obrigado. Como sabemos, a minha casa reformada você já conheceu. Temos sorte, possuímos uma bela moradia. Acho que viramos gente grande e nem conseguimos dar conta de tanta responsabilidade que veio junto com as rotações da terra.

Quando você debutou no Japão senti muita inveja. Confesso. E quando você ganhou duas vezes aquele objeto dourado no qual tinha uma plaquinha com o seu nome. Fiz como meta crescer igualmente ou até maior que você. Queria ser um GIGANTE. E para a minha alegria, hoje esse é o meu apelido. Você, como um bom irmão mais velho, me deu aquele empurrãozinho. Via tantos grandes a minha volta, via tantas conquistas de bom tom. Também teria que deixar a minha assinatura.

Você se considera IMORTAL. Você sabe que as vezes eu faço piadas com essa sua nomenclatura. Não posso deixar a BOLA QUICANDO sem poder chutar um pouquinho. Me desculpe. Mas também já ouvi muitas flautas vindo do seu lado.

E quanto aquela imortalidade, te digo de coração: viva muitos anos. Viva o dobro, viva sempre. Impossível ficar sozinha nesse estado sem a tua presença. Impossível ser gigante sem duelar com imortais. Impossível sermos os melhores sem nos unirmos em datas especiais.

Eu sou de abril. Você virginiano de setembro. Então, pelo menos, quando o ano chegar no seu 9º mês eu virei aqui e te dar o meu abraço de parabéns. Mas só dessa vez. Pois nossas intrigas e discussões que fazem milhares de pessoas nos amarem.

Feliz aniversário.

inter e gremio

Anúncios

Unidos por uma campanha

06/09/2011

Quem conhece um pouco de futebol ou não conhece mas vive no Rio Grande do Sul jamais imagina ver alguém com a camiseta do Grêmio levantando a bandeira do Inter.

Parece contraditório, sem convicção e até sem noção de que essas duas torcidas não se unem. Mas eu acho que se unem sim.

Em um Gre-Nal, por exemplo, jogo mais tenso que ocorre em Porto Alegre, o único momento em que torcedores vermelhos e azuis ficam em sintonia total é quando toca o hino do Rio Grande do Sul.

Outra coisa que os une é quando um dos times é roubado por times do centro do país. Já ouvi muitos gremistas falando que não queriam que o colorado ganhasse o título em 2005, mas que preferia isso a essa roubalheira para o Corinthians. No último jogo, Grêmio e Corinthians, em que o Corinthians ganhou uma ajuda do árbitro ouvi colorados falando “adoro ver o Grêmio perder, mas não com roubo para o Corinthians“.

Ou seja, esses exemplos eu dei para mostrar que a rivalidade não significa inimizade. E, no jogo do Brasil, em Londres, um torcedor carregava a camiseta gremista e a bandeira colorada para mostrar que ambas as torcidas estão juntas por uma causa maior, que é a campanha “Fora Ricardo Teixeira“.

Foto: folha.com

É lindo poder ver que os torcedores, em sua grande maioria, enxergam que um time é grande por que existe a rivalidade com o outro. E que, juntos, podem fazer campanhas dar certo, podem mostrar que o Rio Grande do Sul está junto.


A sempre muito falada Semana Gre-Nal

23/08/2011

Pois é, a semana que antecede o Gre-Nal é sempre “diferente”. Surgem boatos, especulações, treinos fechados e mudanças de esquema. Desta vez, temos um jogo da maior rivalidade do Brasil (sendo bairrista, eu sei) na última rodada do primeiro turno do campeonato. E vale, além da vitória em um Gre-Nal, que pode “arrumar” ou “desarrumar” a casa, para o Inter se aproximar do G4 e para o Grêmio se afastar do Z4.

O colorado tem um jogo antes, contra o Independiente, na final da Recopa. E recebeu de volta seus grandes reforços: Oscar e Juan, pentacampeões com a Seleção Brasileira Sub-20 no último fim de semana. Com a moral elevada por ter sido um dos principais jogadores na conquista, Oscar será o trunfo do Inter, ainda mais com a grande fase de Leandro Damião, logo à frente do guri.

O tricolor, por outro lado, tem uma semana para se preparar, treinar e criar a estratégia de Celso Roth para tentar vencer o clássico. A fase não é boa para o Grêmio. Nem o seu goleiro de seleção brasileira está bem, mas Victor encara o jogo contra o maior rival para superar o momento delicado e, quem sabe, afastar de vez a má fase que tem o acompanhado nesta temporada.

O que os gaúchos sabem, sentem e respiram é que um domingo de Gre-Nal é sempre diferente, geralmente ensolarado, com uma rivalidade pairando no ar, um frio na barriga de cada torcedor. E, como já dizia o poeta, “Gre-Nal é Gre-Nal e vice-versa”. Então, que tenhamos um bom jogo!


%d blogueiros gostam disto: