Sonho adiado. Bola ao centro, o jogo continua!

Quatro brasileiros já caíram fora da Libertadores da América de 2013: um em crise, o atual campeão, um rebaixado e um cheio de projetos. Bom, sobre a desclassificação do Grêmio, achei justa. Não gostei nada, nada do tricolor de ontem. Foi um time medíocre, com uma postura medrosa e uma retranca bizarra. Jogou fora mais um título! A atuação contra o Santa Fé me lembrou muito a do jogo contra o Milionários, ano passado, onde o Grêmio deu bye-bye para a Sul-Americana. O time não atacava, jogando com o regulamento embaixo do braço, esperando pelo adversário.

 

Desde que me conheço por gente, ouço falar que o Grêmio é time guerreiro, time da virada na base da raça, da superação. Ontem, mesmo cansada por causa do futebol das meninas, morta de sono e louca pra dormir e fugir mais ainda do frio, fiquei parada na frente da TV e com o ouvido atento à narração do Orestes de Andrade, na Guaíba. Faltava pouco mais de quinze minutos para o fim do jogo e o Luxemburgo (na verdade, o Roger) fez duas alterações: Fernando por Marco Antonio e Barcos por Wellinton. O Fernando, tá certo, não jogou nada ontem (assim como quase todo time) e tinha mesmo que sair. Mas, tchê, o Barcos? Um time que precisa buscar o resultado, precisa fazer gol, tira o centroavante? Tira aquele cara que, num lance ou outro, pode matar o jogo em uma bola lançada na pequena área? Ele não era o cara para sair do jogo, não naquele momento da partida. Fiquei esperando a tal reação que tanto caracteriza o Grêmio, que não apareceu.

 

O presidente Fábio Koff, além de sua maravilhosa história no clube, se elegeu com uma campanha baseada praticamente na “promessa” da conquista do TRI da América. Gastou mundos e fundos pra isso, apostou, investiu, pediu para que o torcedor também acreditasse nessa possibilidade. Acreditar, acima de tudo, naquilo que, a cada jogo, os olhos não mostravam: um time pronto para erguer essa taça pela terceira vez na história do Grêmio. O “pojeto” não poderia falhar, mas em campo o time não soube dar sequência ao que no papel parecia, no mínimo, viável e aí com uma campanha bem média caiu fora da competição prematuramente. PREMATURAMENTE. Será? Agora eu pergunto: tirando o jogo contra o Fluminense no Engenhão e o jogo contra o Caracas na Arena, quais os outros jogos convincentes do tricolor na Libertadores? Aqueles de dar confiança pro torcedor? O time foi simplesmente a segunda pior campanha da primeira fase! Muito, muito abaixo do esperado, só não perdeu para o São Paulo, que foi o pior dos segundos colocados. But… quantas vezes já vimos um ou outro time acabar campeão, mesmo depois de uma fase de grupos fraca? Eu, pelo menos, já vi. Poderia ser o caso do Grêmio, não? Poderia. Oitavas-de-final, Santa Fé pela frente. Conhecem? Santa Fé, da Colômbia. Veste vermelho e branco. Nenhum título de expressão na história. Joga na altitude. Apresentei bem? Bom, vamos lá: por uma preparação melhor, a delegação foi uma semana antes para Bogotá, afinal de contas jogar na altitude nunca é fácil e se pudessem diminuir os risco dela, que assim o fizessem. Não adiantou, o atacante MEDINA, de fato, como havia prometido, COMEU, não o Grêmio, mas o sonho dos tricolores de conquistar o TRI já em 2013. Pela frente, não fosse o gol dele, o Grêmio teria a Asociación Civil Real Atlético Garcilaso. Time peruano, fundado há menos de cinco anos. Teriocamente um bom adversário para avançar das quartas às semis sem muita dificuldade. Teriocamente, mais uma “baba”. MAIS UMA? Não. Santa Fé não só não foi uma “babinha”, como fez o crime jogando ao lado da sua torcida.

 

É uma pena, mas o “pojeto” foi-se e não dá muito para o torcedor ficar lamentando. O Grêmio já tem o Brasileirão na sequência! E se projeto é a palavra mais usada na “era Luxa”, que ela continue valendo. Trocar de técnico não é a solução! Até porque, sei lá, eu acho que o torcedor que gritou “FICA, LUXEMBURGO”, no final do ano passado, não estava comemorando apenas uma vaga, mas sim a ideia concreta de um projeto a médio, longo, longuíssimo prazo. E digo mais: se as opções são mesmo Mano, Roth e Renato, acho que o Luxemburgo tem que seguir comandando o time ao menos mais uma temporada. Até porque, desculpem-me quem idolatra cegamente o Renato, mas ele poderia ser contratado como motivador, não como treinador de clube.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: